e se Jesus não…

hoje, mas há 1990 anos atrás (+/-), morria em Jerusalém, mais especificamente no Calvário, um homem acusado de blasfemar contra Deus e de cometer crimes irreais. tal homem, morreu de forma  violenta e desumana, diante dos olhos de muitos espectadores.

 

falo, meus caros, do ladrão da cruz. brincadeira, falo de Jesus Cristo, o filho de Deus, o mesmo que salvou o ladrão da cruz – ao menos um deles.

 

 

vivemos em uma realidade a qual temos a graça de termos um salvador. Jesus Cristo, o filho de Deus, fez uma obra magnífica há alguns anos atrás. tomou os nossos pecados, se fez maldito por nossa causa, suportou a terrível condenação de todos os nossos crimes e faleceu sem honra e glória alguma – ao menos aos olhos humanos.

 

a obra de Jesus nos trouxe a salvação, nos livrou do pecado e, principalmente, nos reconciliou com o Pai, que através de Cristo nos adota e nos chama a fazer parte da família real.

tudo isso em nossa realidade existente. mas e se Jesus não…

 

…tivesse vindo

 

bem, neste caso, em curtas palavras, ainda estaríamos condenados. Deus em sua perfeição é um ser justo e não poderia, bem como não pôde, nos livrar da condenação que nos espera por conta dos graves crimes que cometemos.

Cristo tomou sobre si o castigo que nos traz a paz, nos tirou do lugar que estávamos – a ira de Deus – para tomar sobre si toda a ira que nos faria morrer.

 

Romanos 1:18 diz:

Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça.

 

Essa mesma ira estaria sobre nós e, se Cristo não tivesse vindo, estaríamos condenados, malditos, escravos do pecado, entregues às nossas depravações.

 

…tivesse sido santo

quando veio, Jesus viveu como um homem comum, passou todas as tentações que eu você passamos no dia a dia, contudo, com uma tremenda diferença de nós, ele não pecou. mas e se tivesse? 

 

se assim fosse, Cristo não poderia ser o sacrifício perfeito para morrer em nosso lugar, afinal, o cordeiro de Deus teria que ser santo, sem máculas, perfeito. se Cristo tivesse pecado, receberia a mesma condenação que nós recebemos, a da morte.

e como um condenado não pode salvar outro condenado, estaríamos todos juntos no mesmo barco. quando observamos dessa perspectiva, vemos que a vitória de Cristo no deserto foi um marco histórico. 

 

40 dias andando no deserto, com fome, calor, frio, cansaço… Cristo estava no limite físico e talvez mental que um ser humano pode chegar e foi neste cenário que satanás foi tentá-lo, aproveitando sua vulnerabilidade extrema. mesmo assim Ele resistiu, venceu, permaneceu santo, conquistou autoridade para iniciar seu ministério com poder – e com muito poder.

 

…tivesse morrido

Cristo já fez um baita esforço ao sair de sua glória, abrir mão de todas as suas onicaracterísticas para vir à terra. entretanto, se não tivesse morrido, seu esforço de nada valeria.

 

 

em todo o momento Jesus foi tentado a desistir da morte, inclusive pela sua própria carne. Ele não queria morrer, sua oração no Getsêmani deixa isso bem claro. olha só alguns insultos que Jesus sofreu enquanto estava sendo crucificado:

 

E, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e em sua mão direita uma cana; e, ajoelhando diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, Rei dos judeus.

E, cuspindo nele, tiraram-lhe a cana, e batiam-lhe com ela na cabeça.

Mateus 27:30

 

E os que passavam blasfemavam dele, meneando as cabeças,

E dizendo: Tu, que destróis o templo, e em três dias o reedificas, salva-te a ti mesmo. Se és Filho de Deus, desce da cruz.

E da mesma maneira também os príncipes dos sacerdotes, com os escribas, e anciãos, e fariseus, escarnecendo, diziam:

Salvou os outros, e a si mesmo não pode salvar-se. Se é o Rei de Israel, desça agora da cruz, e creremos nele.

Confiou em Deus; livre-o agora, se o ama; porque disse: Sou Filho de Deus.

Mateus 27:39-43

 

E os que passavam blasfemavam dele, meneando as suas cabeças, e dizendo: Ah! tu que derrubas o templo, e em três dias o edificas,

Salva-te a ti mesmo, e desce da cruz.

E da mesma maneira também os principais dos sacerdotes, com os escribas, diziam uns para os outros, zombando: Salvou os outros, e não pode salvar-se a si mesmo.

O Cristo, o Rei de Israel, desça agora da cruz, para que o vejamos e acreditemos. Também os que com ele foram crucificados o injuriavam.

Marcos 15:29-32

 

poderia falar de mais insultos que Jesus sofreu, mas vou parar por aqui. agora, você já pensou se Cristo fosse orgulhoso como nós? 

se diante destes insultos Ele tivesse falado “quer saber? cansei, eu sou Deus, vocês são minha criação e agora verão o poder do filho de Deus em sua glória e majestade.” Ele poderia ter feito e, se tivesse, ainda seria Deus. 

 

mas, se tivesse, não valeria de nada ter vindo. nós ainda estaríamos condenados, Cristo não teria destruído as obras de satanás, ainda seríamos escravos do pecado e teríamos o diabo como nosso senhor.

 

quando Pedro corta a orelha de um servo do sumo-sacerdote, no momento em que tentavam prender Jesus, o Senhor o diz:

Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão.

Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos?

Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?

Mateus 26:52-54

 

Jesus tinha um exército de anjos a sua disposição para intervir caso Ele quisesse não morrer naquela cruz, porém, Ele foi obediente e, por amor a nós, ele decidiu permanecer e suportar todos os insultos para que a obra se cumprisse e assim fôssemos salvos.

 

…tivesse ressuscitado 

chegamos a um ponto crítico desta resenha. e se mesmo permanecendo santo, enfrentando a condenação que estava por vir e morrendo, Cristo não tivesse ressuscitado?

novamente, não valeria de nada ter vindo. sem ter vencido a morte, Cristo não poderia nos livrar da morte e nosso destino seria a condenação e morte, assim como a que Ele sofreu. 

 

se Cristo não tivesse ressuscitado, o versículo de 1 Coríntios 15:55-56 seria bem diferente do que conhecemos, sendo da seguinte forma:

Onde está, ó Cristo, o teu aguilhão? Onde está, ó céu, a tua vitória? Ora, o aguilhão de Cristo é inexistente.

 

mas, louvado seja o nome do Senhor que o Cristo venceu a morte. e, diante disso, podemos dizer:

Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.

1 Coríntios 15:55-57

 

…existisse 

se Cristo não existisse, eu não estaria aqui escrevendo e você não estaria aí lendo. não existiria nem céu, nem terra, nem criação – visto que todas as coisas foram feitas por meio dEle.

 

Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.

Colossenses 1:16

e por isso podemos celebrar a vitória de Cristo. a obra de Cristo na terra foi algo magnífico. Ele não só foi crucificado, mas viveu, aqui na terra, uma vida de cruz, abrindo mão de todos os seus desejos pessoais para cumprir a vontade do Pai e finalizar sua obra de salvação.

 

vimos que a obra de Cristo foi excelentemente completa. se ele tivesse falhado em um destes pontos citados, de nada valeria, mas como um perfeito Deus, Ele cumpriu tudo, não decepcionou o Pai e nos trouxe a salvação.

louvado seja o nome de Jesus Cristo para todo sempre, de eternidade em eternidade.

Cristo é o centro de todas as coisas e, nesta páscoa, vamos celebrar a sua majestade e a sua vitória diante da morte.

 

Deus abençoe! 

Feliz páscoa! 

até mais!

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *