Guerra Santa, Divisão Agrária e Cristo

O livro de Josué inicia a segunda grande seção bíblica, após o pentateuco. O livro de Josué tem como principal tema a conquista e a distribuição da Terra de Canaã. Para isso, Deus irá usar Josué, filho de Num. Os principais tópicos do livro de Josué estão apresentados a seguir:

Juízo e guerra Santa

A questão da conquista da terra de Canãa levanta uma questão muito debatida atualmente, a questão da guerra Santa. Deus já havia avisado o povo de Israel “Quando o Senhor, teu Deus, te tiver introduzido na terra, a qual passas a possuir, e tiver lançado fora muitas nações de diante de ti…sete nações mais numerosas e mais poderosas do que tu; e o Senhor, teu Deus, as tiver dado diante de ti, para as ferir, totalmente as destruirás; não farás com elas concerto, nem terás piedade delas” (Dt 7.1 e 2). Perceba que Deus ordena que todos os povos daquela terra deveriam ser destruídos sem misericórdia, incluindo mulheres e crianças. Deus não permite que o povo de Israel nem tomem nem aliança com esse povo.

Deus estava executando juízo contra aquele povo. Deus tem todo direito de julgar o pecado e, no caso dos Cananeus, foi muito paciente. Cerca de 500 anos atrás, após prometer aquela terra para Abrãao, Deus disse que a promessa não seria cumprida antes “porque não se encheu ainda a medida da iniqüidade dos amorreus” (Gênesis 15:16). Deus já havia visto o pecado desse povo, mas estava esperando mais alguns séculos antes de trazer o castigo contra ele. Na época de Josué, a hora havia chegado. Deus diz “pela impiedade destas nações, o Senhor, teu Deus, as lança fora, de diante de ti” (Dt 9.5). Dentre os pecados do povo cananeu estava prostituição ritual, morte de crianças e idolatria.

Três pontos importante de ser citados: i) Se o povo de Israel não executasse juízo contra os Cananeus, seriam contaminados “para que não vos ensinem a fazer conforme a todas as suas abominações, que fizeram a seus deuses, e pequeis contra o SENHOR vosso Deus” (Dt. 20.18). Isso acabou acontecendo no livro de Juízes, trazendo muita devastação ao povo escolhido; ii) O povo de Israel não foi poupado e abençoado por ser melhor que os cananeus, mas sim, por pura graça. As razões dadas pelas escrituras são duas: o amor eletivo de Deus e sua promessa dada a Abraão (Dt 7.8); e iii) Por mais difícil que seja entender isso em nossa cultura humanista atual, ao fazer juízo contra as crianças, nos lembra o pastor John Piper, Deus estava sendo misericordioso, dado que seriam salvas antes de crescerem e serem contaminadas com o pecado do seu povo.

Conquista e distribuição da terra

O livro de Josué mostra a conquista e a distribuição da terra de Canaã. A conquista é narrada entre Js 6.1 e Js 12.24.

Na conquista da terra, vemos o povo batalhando, mas não sozinhos, e sim, acompanhados por Deus. A conquista de Jericó particularmente mostra essa dinâmica de modo bem claro. A cidade tinha muralhas de proteção que foram derrubadas pelo povo após sete dias rodeando a muralha. No sétimo dia, sete voltas foram dadas e o povo gritou com grande brado. Um brado de vitória e fé que Deus usa para destruir as muralhas. Os soldados entram e destroem toda cidade, com exceção de Raabe, tomando posse da mesma.

De Josué 13 a 21 vemos a distribuição da herança na terra. Vemos aqui a fidelidade de Deus e suas promessas sendo cumpridas à risca, como prometidas a Abraão. O povo, enfim, tomou posse da terra que mana leite e mel, mesmo 500 anos depois. Nenhuma promessa de Deus falha. Ele cuida da história de modo que suas promessas se cumpram. “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa” (Nm 23.19).

Cristo em Josué

O livro de Josué aponta para Cristo em dois sentidos principais: Primeiro, Cristo é nosso Josué. O próprio nome Josué (Joshua- Jeová é Salvação) tem muita proximidade com o nome Jesus (Yeshua – Salvar). Assim como Josué conduziu Israel para a terra prometida, os fazendo passar pelo Jordão e liderando a derrota dos Cananeus, Cristo é o capitão da nossa salvação, que nos leva a vencer o pecado, a morte e Satanás. Em segundo lugar, Cristo também é nossa terra prometida. Ele é o lugar para o qual somos conduzidos. Nele há leite e mel, delicias sem iguais. Cristo é tanto o capitão da nossa salvação, como também nossa terra prometida. Tanto nosso Salvador, como nosso desfrute. Parafraseando a linda e antiga canção I Will Follow You de Ricky Nelson, Ele é nosso destino.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *