O ser humano pode nascer gay?

“Isso é quem eu sou.”

Em 1993, fundamentei minha narrativa de saída nessa declaração franca – e quis dizer isso em todos os sentidos. “Eu não escolhi ser gay”, raciocinei. “Eu nasci assim!”

Eu estava totalmente convencido de que minha sexualidade era o núcleo de quem eu era – não simplesmente o que eu desejava ou fazia. Parecia que eu finalmente tinha descoberto meu verdadeiro eu. Meu coração e amigos afirmaram isso, assim como o mundo ao meu redor. “Isso é quem eu sou. Eu sou gay”.

A orientação sexual parecia evidentemente verdadeira. Mas que verdade isso revelou?

Devemos simplesmente aceitar a orientação sexual como a forma como as coisas são, como a única terminologia para descrever atrações duradouras e não escolhidas pelo mesmo sexo? Ou devemos recuar e avaliar criticamente essa ideia à luz da verdade de Deus sobre quem somos? Honestamente, não podemos começar a entender a sexualidade humana até começarmos com a antropologia teológica, ou seja, o que Deus pensa, e revela, sobre quem somos.

Reorientação

O conceito moderno de orientação sexual origina-se da disciplina da psicologia, que está enraizada em uma compreensão secular da antropologia que rejeita o pecado original (para uma avaliação crítica da “orientação sexual”, ver Rosaria Butterfield, Opening Unhindered, pp. 93-112). Por exemplo, a ideia de que a orientação sexual entre pessoas do mesmo sexo é apenas uma deficiência (ou seja, uma consequência natural da queda, como a surdez), e não uma consequência moral, está perigosamente próxima da antiga heresia chamada pelagianismo, uma negação do pecado original, condenada pela igreja no século V. No mundo atual de infinitos tons de cinza, a ambiguidade desleixada sobre a sexualidade bíblica é essencialmente flertar com a heresia.

A Associação Americana de Psicologia fornece esta definição para orientação sexual:

A orientação sexual refere-se a um padrão duradouro de atração emocional, romântica e/ou sexual por homens, mulheres ou ambos os sexos. A orientação sexual também se refere ao senso de identidade de uma pessoa com base nessas atrações, comportamentos relacionados e pertencimento a uma comunidade de outras pessoas que compartilham essas atrações.

O neurologista gay Simon LeVay explica que a orientação sexual é “o traço que nos predispõe a experimentar atração sexual” (Gay, Straight, and the Reason Why, 1). Em um documento internacional de direitos humanos, ela é definida como uma “capacidade de profunda atração emocional, afetiva e sexual”. Em outros lugares, a Associação Americana de Psicologia descreve essas atrações como geralmente não escolhidas. Assim, a orientação sexual transmite uma capacidade de desejos sexuais e românticos não escolhidos e duradouros, e essa predisposição foi relegada a uma nova categoria de pessoalidade.

Infelizmente, mergulhamos nesse paradigma secular e humanista de definir a identidade através da sexualidade. Achamos que não há outra opção. No entanto, quando há uma escolha entre uma estrutura bíblica e uma secular, os cristãos não deveriam favorecer o bíblico em detrimento do secular? E a palavra de Deus poderia nos fornecer uma estrutura melhor para entendermos a capacidade de experimentar desejos sexuais e românticos não escolhidos e persistentes em relação ao mesmo sexo?

Sim. Essa estrutura é chamada de pecado.

Ser gay?

Não estou dizendo que a capacidade de ter atrações ou tentações por pessoas do mesmo sexo é o que os teólogos chamam de “pecado real” (pensamentos, desejos, palavras e ações pecaminosas). No entanto, os conceitos de pecado original e residente se encaixam em todas as descrições de uma orientação sexual do mesmo sexo. O pecado original é uma condição não escolhida, e o pecado residente é um padrão persistente de desejos ou comportamentos pecaminosos. Por que tentar reapropriar e resgatar um termo quando já existe uma estrutura bíblica funcional?

Alguns hoje dizem que a atração sexual e romântica por pessoas do mesmo sexo está enraizada na imagem de Deus, não na queda – e que, portanto, é boa ou mesmo santificável. Isso decorre do mal-entendido de que “ser gay” inclui apreciar a beleza entre pessoas do mesmo sexo. No entanto, se ampliarmos a sexualidade para incluir o apreço não sexual e não romântico pela beleza, todos seriam gays. Isso é tão absurdo quanto inútil.

No entanto, se agir sobre o desejo sexual e romântico do mesmo sexo é pecado, então não há nada neutro ou santificável sobre isso. Esses desejos provêm da queda, não da imagem de Deus. O pecado sexual sempre envolve um componente moral. A atração pelo mesmo sexo encontra sua gênese no pecado original. E sejamos claros: não há nada de neutro ou inocente no pecado original.

Com as atrações do mesmo sexo, o problema é o pecado. Mas, para os cristãos, nosso Deus não nos deixou sem resposta.

Seja qual for o caminho que você nasceu

Mas as pessoas não nascem gays? Se você ouvir a mídia e a cultura pop, isso parece ser um fato que a ciência provou inquestionavelmente. No entanto, dos inúmeros estudos realizados para investigar os potenciais fatores biológicos e ambientais que podem influenciar o desenvolvimento de atrações do mesmo sexo, nada ainda foi conclusivo.

A Associação Americana de Psiquiatria fez esta declaração ainda em 2015: “Algumas pessoas acreditam que a orientação sexual é inata e fixa; no entanto, a orientação sexual se desenvolve ao longo da vida de uma pessoa.” Os cientistas estão longe de descobrir os fatores que contribuem para o desenvolvimento das atrações sexuais, por isso é insustentável e irresponsável afirmar que as atrações sexuais são inatas ao indivíduo é uma realidade comprovada.

Apesar da falta de evidências, persiste a crença de que as pessoas nascem gays e que isso não é um problema. No entanto, para os cristãos, algo nos ser inato não significa que nos é permitido; nascer pecador não torna o pecado certo. Devemos apontar as pessoas para uma afirmação muito mais importante: independentemente do que era verdade ou não quando você nasceu, Jesus diz que você deve nascer de novo.

Não importa se você acha que nasceu alcoólatra; você deve nascer de novo. Não importa se você acha que nasceu mentiroso; você deve nascer de novo. Não importa se você acha que nasceu viciado em pornografia; você deve nascer de novo. Não importa se você acha que nasceu com qualquer outra luta contra o pecado sexual; você deve nascer de novo.

Uma excelente notícia

Quando nascemos de novo (pela Palavra de Deus, 1 Pedro 1.23, e por seu Espírito, João 3.5-8, as coisas velhas já passaram e tudo se fez novo – somos uma nova criação (2 Coríntios 5.17). Somos capazes de odiar nosso pecado sem odiar a nós mesmos. Nossa sexualidade não é mais quem somos, mas sim como somos. Nós matamos nosso velho eu para que Cristo possa viver em nós (Romanos 8.13; Gálatas 2.20; Colossenses 3.5). O efeito do pecado é tão difundido, tão completo, tão radical, que o renascimento completo deve ocorrer para que qualquer um entre no reino dos céus (João 3.3).

Seja qual for a nossa condição pecaminosa ao vir ao mundo, precisamos de uma transformação total – do tipo que somente nosso Deus e Criador tornou maravilhosamente possível pela graça através da fé em Cristo (Efésios 2.4-10). Esta não é uma mensagem apenas para a comunidade gay, ou apenas para aqueles que experimentam atrações do mesmo sexo. Esta é uma mensagem para todos: é preciso nascer de novo. E é ele, segundo a sua grande misericórdia, que nos faz nascer de novo (1 Pedro 1.3).

E isso, caros amigos, é uma excelente notícia.


Fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2024/06/o-ser-humano-pode-nascer-gay/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *