Quantos bons amigos você de fato possui?

Quantos amigos íntimos você tem em sua vida hoje? Separe um minuto e os conte. Você tem mais ou menos amigos em relação há dez anos atrás?

Um estudo recente confirma o que você já deve suspeitar: a maioria de nós tem menos bons amigos hoje do que já tiveram um dia. Em 1990, apenas 3% dos entrevistados relataram não ter amigos próximos. Trinta anos depois, esse número quadruplicou para 12%. Em 1990, um terço das pessoas afirmaram ter dez ou mais amigos próximos. Esse número foi agora encolhido para um pouco mais de 10%. Aproximadamente, 90% dos entrevistados não conseguem nomear um amigo para cada um de seus dedos da mão. Não é o único estudo a chegar à mesma conclusão inquietante: apesar da onda de novas formas de se conectar e se comunicar uns com os outros, estamos ficando mais solitários.

Essa solidão sufoca a vida humana. “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante” (Eclesiastes 4.9-10). Se tentarmos viver e trabalhar sozinhos, tropeçaremos e cairemos sozinhos. Quando caímos sozinhos, nós não teremos o encorajamento, correção e suporte que precisamos para nos levantarmos e superarmos nossos fracassos, tristezas e provações.

Não importam quantos anos passem, não importa quão ocupado você se sinta, não importa quão escassas são suas opções, não importa quanto isso custe, você ainda precisa de bons amigos – sim, até você.

Então por que tantos de nós tem tão poucos amigos?

Três grandes paredes para serem escaladas

Nunca foi fácil fazer novos amigos e se conectar com os antigos, então o que está atrapalhando ainda mais esses relacionamentos? Drew Hunter, autor de Made for Friendship [Feito para a amizade], sabiamente aponta três grandes obstáculos que enfrentamos hoje:

Três aspectos da cultura moderna criam barreiras únicas para relacionamentos profundos: ocupação, tecnologia e mobilidade…  Essas barreiras podem se unir de uma maneira que nos isola. Eles nos cercam como uma barreira de corda e mantêm a verdadeira amizade fora de alcance. Podemos dominar um ou dois desses fios, mas, como diz o ditado, o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade.

O que nos distancia de amizades significativas? Nossas ocupações, pois preenchemos nossas agendas de tal forma que amizades parecem um luxo pelo qual não podemos pagar. Tecnologia, porque embora ela permita mais momentos de “conexão”, as migalhas que ela oferece nos levam a fingir que estamos conectados de forma mais significativa do que realmente estamos (e nos deixam famintos por mais). Mobilidade, porque é mais difícil construir amizades reais e duradouras em lugares onde as pessoas estão mudando e se mudando com frequência.

Essas três barreiras emergentes à amizade certamente ressoam com a minha experiência nos últimos trinta anos e explicam com precisão alguns dos desafios que enfrentamos ao buscarmos amizade no século XXI. Então, como os seguidores de Cristo podem superar os obstáculos e encontrar alguns bons amigos?

1. Cadência: Viva no ritmo da amizade.

Quando foi que nos tornamos muito ocupados para amizades? Em um nível cultural, é difícil traçar os múltiplos fatores (trabalho em casa, mensagens instantâneas, mídias sociais, delivery, entretenimento sob demanda, explosão de atividades para jovens e muito mais). No nível pessoal, a interrupção geralmente acontece em algum momento entre a formatura da faculdade e as fraldas de nosso primeiro filho recém-nascido. As demandas adultas de trabalho e família aumentam rapidamente e eliminam a margem que costumávamos ter. O tempo com os amigos, que não costumava nos custar quase nada, agora parece caro demais.

Em vez de assumir que a amizade é simplesmente uma casualidade em meio a chamados superiores, e se supusermos que a amizade é vital para esses chamados superiores? Porque ela é. “exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hebreus 3.13). É claro, se você é casado, seu cônjuge é uma voz valiosa, mas ele ou ela não podem ser a única voz. Casado ou solteiro, precisamos de outros do lado de fora de casa para sinalizar (ou gritar) a realidade para dentro de nossos corações e lares. Em outras palavras, nós precisamos de amigos.

Para experimentar a amizade com outros humanos, precisamos viver em um ritmo que seja humano (o que, ironicamente, pode nos colocar cada vez mais fora de sintonia com a sociedade). Nós rolamos rapidamente os status e storys de nossa lista de amigos nas redes sociais, mas e se ao invés disso nós desacelerássemos o suficiente para ver, ouvir e focar na pessoa à nossa frente? E se praticássemos hospitalidade, não apenas com nossas cozinhas e salas de estar, mas com nosso tempo e atenção?

Quão diferentes seriam nossas vidas se fossem marcadas por algo como a união da igreja primitiva:

“Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum… Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo” (Atos 2.44, 46-47a).

Suas vidas eram lindamente preenchidas, mas não com tarefas, e-mails e apps que dominam nossos dias. Não, suas vidas eram repletas de pessoas – cheias da presença um do outro. A vida era mais devagar em vários sentidos, ainda que fosse também muito mais produtiva por ser mais lenta: “acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” (Atos 2.47b).

2. Presença: Encontre tempo e espaço para compartilhar

Tecnologia não é necessariamente inimiga da amizade. Ela pode ser uma bênção sem precedentes quando empregada com sabedoria. Imagine quanto as gerações anteriores teriam dado para poder falar em tempo real, mesmo que uma vez, com um ente querido distante (ainda mais para realmente vê-lo em uma tela). Os problemas surgem quando nos apoiamos demais na tecnologia – quando ela se torna um substituto da presença física, em vez de um complemento. Todo ser humano precisa de comida, água, abrigo e tempo regular com outros humanos.

O apóstolo Paulo usou a tecnologia disponível em seus dias para se comunicar com seus irmãos e irmãs na fé, mas ele sabia que escrever não era um substituto para o contato visual: “Porque muito desejo ver-vos, a fim de repartir convosco algum dom espiritual, para que sejais confirmados, isto é, para que, em vossa companhia, reciprocamente nos confortemos por intermédio da fé mútua, vossa e minha” (Romanos 1.11-12). Ele sabia que havia graças que a tinta e o papel não podiam carregar. Havia toda uma classe de encorajamento reservada para salas de estar e mesas de jantar. Ele sabia que algo crítico e intangível acontece quando dois ou mais estão reunidos em nome de Jesus no mesmo espaço.

Isso não significa que amigos boicotem a tecnologia. Significa que reconhecemos as fraquezas e limitações da tecnologia (mesmo a melhor tecnologia) e amamos uns aos outros de acordo. Um bom lugar para começar pode ser auditar rapidamente suas amizades atuais e perguntar aproximadamente qual porcentagem de suas interações são físicas ou digitais. Os resultados variam para pessoas com diferentes personalidades em diferentes circunstâncias e estágios da vida, mas para cada estágio, circunstância e temperamento deve haver alguma presença consistente e significativa. Vale a pena lutar por um tempo mais regular para ficar cara a cara com pelo menos alguns bons amigos.

3. Permanência: Redescubra o valor de permanecer

Por fim, talvez o maior obstáculo dos três: a mobilidade. Nunca foi tão fácil mudar-se, o que significa que muitas vezes é muito, muito mais difícil encontrar e manter amizades de longo prazo. Basta pensar por um minuto sobre quantas de suas amizades nos últimos dois anos foram interrompidas por alguma grande mudança de vida e o movimento que a acompanha. Somos a geração do adeus.

A profundidade das amizades que nossas almas precisam não acontecerá da noite para o dia. Esses jardins de confiança exigem anos, talvez décadas, de atenção paciente e cuidados. Então, como fazer e manter amigos em um dia de tantas despedidas? A primeira coisa a dizer pode ser difícil para muitos de nós ouvirmos: redescobrir o valor de ficar parado.

Quantas pessoas você conhece em seus círculos que renunciariam a um emprego mais bem remunerado e mais satisfatório em uma cidade mais atraente em prol das amizades cristãs e da comunidade? Construir o tipo de amizades que realmente importam e dão frutos requer o tipo de sacrifícios que poucos hoje estão dispostos a fazer. Na igreja primitiva, e durante a maior parte da história, esse tipo de permanência era simplesmente um dado. Mudar-se era muito caro. Hoje, a permanência está se tornando uma disciplina e uma virtude. Podemos nos perguntar: Quantos dos que estão se desenraizando e partindo agora acabarão por perceber o que perderam e gostariam de ter escolhido a igreja e as amizades em vez de conveniência e oportunidades de emprego?

Algumas amizades, no entanto, sobreviverão a movimentos e fusos horários, através de alguma criatividade e persistência sérias, mas muito poucas prosperarão. Alguns dos meus melhores amigos de hoje já foram amigos de rua (ou até mesmo amigos de banheiro e cozinha), mas agora são amigos de vários estados. Não estamos tão próximos quanto antes, mas fazemos o que podemos para manter contato. O apóstolo Paulo, por exemplo, era um amigo fiel de longa distância, embora pareça que ele estava sempre planejando uma visita. Ele escreve para aqueles que conhece bem, ama mais e, no entanto, não pode mais andar e ver:

“Pois minha testemunha é Deus, da saudade que tenho de todos vós, na terna misericórdia de Cristo Jesus” (Filipenses 1.8).

Agora, porém, com o regresso de Timóteo, vindo do vosso meio, trazendo-nos boas notícias da vossa fé e do vosso amor, e, ainda, de que sempre guardais grata lembrança de nós, desejando muito ver-nos, como, aliás, também nós a vós outros (1 Tessalonicenses 3.6).

“Lembrado das tuas lágrimas, estou ansioso por ver-te, para que eu transborde de alegria” (2 Timóteo 1.4).

Amizades de longa distância são possíveis e podem ser preciosas, mas são como subir a colina, exigindo esforço extra a cada passo (como escrever vinte e oito capítulos para a igreja em Corinto). Eles não podem ser nossas únicas amizades íntimas. Por mais fiéis que sejam nossos amigos distantes, precisamos de amigos no futuro. E espero que alguns deles estejam no caminho a longo prazo.

4. Substância: Desbrave as profundezas da conversa.

Ocupação, tecnologia, mobilidade – esses são três obstáculos reais e em desenvolvimento para a amizade. Todos nós devemos estar cientes deles e fazer algum plano para limpá-los. Enquanto lutava com cada um deles, porém, não pude deixar de ver uma quarta grande barreira, que não é de forma alguma moderna: a trivialidade.

Quantas de nossas amizades potenciais – amizades reais, significativas e duradouras – morreram nas rochas dos esportes, shows ou manchetes? Quantas conversas começaram e terminaram na superfície fina de papel da vida? Quantas vezes Deus foi deixado de fora completamente? O maior desafio para a amizade hoje pode não ser nossos horários, telefones ou caminhões em movimento, mas o quão fácil é flutuar pacificamente acima das ricas profundezas da amizade real.

As mídias sociais certamente podem agravar o problema, mas essa tentação não é nova. Satanás sempre nos seduziu para as águas superficiais da superficialidade e nos distraiu das profundezas da amizade. Então, como podemos nos aprofundar? Através de uma intencionalidade corajosa e exaltadora de Cristo: “Consideremo-nos (realmente consideremos) também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.” (Hebreus 10.24-25, parênteses do autor).

Se nos comprometermos com esse tipo de reflexão, esse tipo de compromisso, esse tipo de encorajamento e correção, esse tipo de amor, a verdadeira amizade surgirá e perdurará. Mas precisaremos ser corajosos o suficiente para irmos até lá, focando em ter mais de nossas conversas em assuntos profundos.

Então, se você se encontrar entre a esmagadora maioria das pessoas sem bons amigos, diminua a velocidade o suficiente para encontrar alguns, reserve algum tempo regular para estar na mesma sala, lute mais para ficar juntos por mais tempo e, em seguida, pressione consistentemente o trivial para o mais significativo e espiritual. Busque e mantenha os tipos de amigos que agitam seu coração e sua vida de maneira que te encoraje a conhecer e desfrutar mais de Jesus Cristo.

Autor: Marshall Segal

Fonte: Voltemos ao Evangelho

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *