Eu não sou o centro da Bíblia

Uma das marcas de uma vida cristã madura é a prática da Palavra de Deus (Tiago 1.21–25). Deus é glorificado quando aprendemos mais de Sua Palavra e colocamos Seus princípios em prática, demonstrando maturidade e um relacionamento real com Deus. Porém, existem riscos sutis em nossa busca por uma vida marcada pela prática da Palavra de Deus. Mesmo em nossas boas intenções de buscarmos uma vida de prática da Palavra de Deus, podemos cometer alguns equívocos que irão nos custar justamente o que buscamos: uma vida genuinamente prática da Palavra de Deus, da Bíblia.

Os erros comuns na busca pela prática da Palavra têm origem em uma visão equivocada da natureza da própria Palavra. Nossa visão equivocada da natureza da Palavra de Deus nos leva a uma postura errada e, consequentemente, a conclusões equivocadas, que até tem aparência de sabedoria, mas não refletem o poder transformador do Evangelho (Colossenses 2.20–23). Ou seja, podemos ler e estudar a Bíblia como se fosse um conjunto de boas regras e princípios morais sem estarmos ligados à fonte de transformação em Jesus. Por isso, considere:

O ponto de partida correto em sua leitura bíblica

O ponto de partida na leitura e estudo da Palavra não pode ser você. A Bíblia é um livro que revela alguém, e esse alguém não é você. Sem dúvida, aprendemos muito sobre nós mesmos quando lemos a Bíblia e Sua descrição cirúrgica de nossos corações. Mas o centro da revelação na Bíblia está em Deus.

Quando eu sou o ponto de partida de minha leitura e estudos bíblicos, pulo etapas importantes de reflexão, deixando de conhecer mais do centro da narrativa bíblica: Jesus Cristo. Nessa postura, tendo a ser seletivo no que leio e naquilo que considero importante na Bíblia. “Afinal, se não tem a ver comigo, não é importante!”. Esse é um grande e arrogante erro. Estamos assumindo que Deus colocou coisas em Sua Palavra que não são importantes “para mim”.

Por isso, comece sua leitura bíblica com o ponto de partida certo: Deus. “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1). Deus é o centro e o referencial de todo o processo de interpretação e aplicação bíblicas. Quando não estamos com esse referencial claro, lemos a Bíblia procurando a nós mesmos: “o que tem aqui para mim?”. No entanto, devemos ler a Bíblia na expectativa de encontrarmos e conhecermos a Deus, pois é nas Escrituras que nos tornamos sábios para a salvação em Jesus Cristo (2 Timóteo 3.14 e 15).

A Bíblia não é um conjunto de princípios desconexos

Temos a tendência de lermos a Bíblia como uma “caixa de promessas”. Mas a Bíblia não é um conjunto de princípios desconexos que tiramos para ler conforme nossa necessidade. Sem dúvida, existem princípios para nossas necessidades, mas não são princípios desconexos de uma verdade maior e um propósito específico.

Quando lemos a Bíblia como um conjunto de princípios desconexos, expressamos um ponto de partida centrado em nós mesmos. Afinal, somos nós quem selecionamos o que deve ser aplicado e o que queremos. Deixamos de usufruir da riqueza da Palavra de Deus que está centrada em Jesus Cristo (Lucas 24.44–48).

Deixamos de usufruir dos aspectos “vivo” e “eficaz” da Palavra de Deus quando adotamos uma postura seletiva (Hebreus 4.12). Assim, leia e estude a Palavra levando em consideração seu testemunho acerca do seu Autor: o próprio Deus. Os princípios expressam o caráter de Deus e Sua boa vontade para nós. Deus Se revelou a nós na Bíblia. Ao ler e estudar a Bíblia, tenha a expectativa de conhecer mais de Deus.

O objetivo de ler a Bíblia não é “melhorar de vida”

Sem dúvida, estudar a Bíblia irá trazer crescimento para você, mas eu quero fazer uma diferença do crescimento vindo da Palavra de Deus com o fenômeno que descrevemos como “melhorar de vida”! Falamos de melhora como um ponto de partida centrado em nós mesmos: “eu quero melhorar de vida a partir de como eu estou hoje, então, vou ler a Bíblia”. Bom, não é bem assim, mas é mais ou menos assim. “Melhorar de vida” tem eu mesmo como referência, mas a transformação causada por Jesus Cristo por meio de Sua Palavra tem um referencial diferente (1 João 3.1–3).

Nossa leitura e estudos bíblicos são os meios pelos quais conhecemos mais de Deus, não uma ferramenta para “melhorar de vida” de acordo com nossos planos pessoais. Assim, nossa interação com a Bíblia está dentro do contexto do relacionamento com Deus através da Palavra. Deus fala por meio da Bíblia, conhecemos mais dele, aprendemos sobre Sua vontade e obedecemos. Esse processo é transformador, nos dando as perguntas certas e repostas suficientes centradas na pessoa e obra de Jesus.

Reconheça que você não é o centro da Bíblia, para de fato conhecer Aquele que é central na própria Bíblia: Jesus.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *