Posso ser cristão e nunca evangelizar?

A pergunta de hoje é a seguinte: Se realmente amamos o Evangelho de Jesus Cristo, por que não o compartilhamos com mais entusiasmo? Irei para o inferno se nunca evangelizar? Nem mesmo uma vez.”

 

Primeiro, deixe-me concordar que existe uma realidade como o inferno, e as pessoas realmente vão para lá. É o julgamento justo de Deus. Ninguém na Bíblia falou sobre isso com mais frequência do que Jesus. Por exemplo, ele disse aos fariseus: “Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?” (Mateus 23.33). O apóstolo João falou daquele que – esta é provavelmente a descrição mais vívida do inferno na Bíblia – “também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome.” (Apocalipse 14.10–11). Essa é uma descrição horrível, tanto pela extensão quanto pela intensidade.

A razão pela qual acabei de sublinhar isso é porque penso que há pessoas que ouviram essa pergunta e diriam: “Ele está tão preso a esse mito fundamentalista do inferno”. A questão não se baseia em alguma tradição ou em alguma crença sectária marginal. A realidade do inferno é terrível. Pertence à mensagem central daquilo que o Evangelho de Cristo nos salva.

Assunto do coração

Irei para o inferno se nunca evangelizar? Ninguém vai para o inferno por alguma coisa específica que faça ou deixe de fazer. Em vez disso, uma pessoa vai para o inferno porque as coisas que ela faz ou deixa de fazer dão evidência suficiente de que ela não está confiando em Jesus Cristo como seu estimado Salvador, estimado Senhor.

Somos salvos pela fé, não por causa de obras (Efésios 2.8–9). Somos justificados pela fé, não pelas obras da lei (Gálatas 2.16). Se crermos em Jesus, temos vida eterna. Não entramos em julgamento; passamos da morte para a vida (João 5.24). Mas a fé é o tipo de experiência – é o tipo de realidade na mente e no coração – que dá origem ao amor pelas outras pessoas. “Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor.” (Gálatas 5.6). A fé salvadora é o tipo de coisa que funciona através do amor. Ou, como diz Tiago: “Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta.” (Tiago 2.17). Não é real. Não é fé salvadora.

Portanto, as pessoas não estão no inferno simplesmente porque fizeram coisas ruins ou não fizeram coisas boas. Eles estão no inferno porque as coisas que fizeram ou deixaram de fazer confirmaram a condição rebelde e incrédula do coração. “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias.” (Mateus 15:19).

Por que estou em silêncio?

Voltando à nossa pergunta: irei para o inferno se nunca evangelizar? A questão é: Qual é a condição do coração que não evangeliza? Existem algumas passagens das Escrituras que conectam ser cristão com o falar sobre Jesus. 1Pedro 2.9: “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;” – é por isso que você foi escolhido, foi para isso que você se tornou um cristão – “as excelências daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” Somos salvos das trevas para a luz para tornar conhecidas as excelências de Deus, para declará-las.

Romanos 10.9: “Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.” Por que isso aconteceria? Por que seria a confissão com a boca que leva à salvação? Jesus dá parte da resposta em Marcos 8.38, quando diz: “Porque qualquer que, nesta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos.”

Portanto, a questão é: o que significa o nosso silêncio? Isso significa que não vemos nem saboreamos as excelências daquele que nos chamou das trevas? Isso significa que não acreditamos realmente que Jesus é o Senhor? Isso significa que estamos, no fundo, envergonhados de Cristo? Estas são as verdadeiras questões. A questão é: por que estou em silêncio? Essa é a questão. Qual o motivo?

Evangelizar os crentes

Talvez a coisa mais útil – e quero ser útil aqui; não quero apenas levantar problemas – o que posso fazer pelo nosso jovem amigo é dar algumas sugestões práticas para seguir em frente. Ele é jovem. Ele tem tempo. Ele não é um homem de 90 anos que olha para trás e diz: “Nunca fiz isso”.

Primeiro, lembre-se que a palavra “evangelizar” é uma palavra inglesa construída sobre a palavra grega euangelizomai – você pode até ouvir “evangelizar” em euangelizomai; têm o mesmo som – o que significa “falar boas novas”, especialmente as boas novas do que Jesus fez ao morrer pelos nossos pecados e ressuscitar e perdoar-nos através da fé. A palavra “evangelizar” (ou euangelizomai) não se limita a falar as boas novas aos incrédulos. Entenda isso, jovem. Inclui falar com os crentes. Paulo diz em Romanos 1.15: “Estou ansioso para pregar o evangelho” – “evangelizar”, a mesma palavra – “a vós [cristãos] que estais em Roma”.

Agora, esse é um ótimo lugar para começar. Fale de Cristo aos irmãos cristãos. Conte as boas novas aos cristãos. Conte a eles o que você aprendeu em sua devocional esta manhã. Conte-lhes uma boa promessa que tem ajudado você em alguns momentos difíceis recentemente – que Cristo criou você e comprou para você com seu sangue. Diga a eles o que Deus fez em sua vida, o que ele está fazendo. Lembre aos cristãos o quão precioso Jesus é para você e deveria ser para eles, como as coisas boas que acontecem em nossas vidas são devidas à sua morte (Romanos 8.32).

Não sei com que idade estamos lidando aqui. Se você é muito jovem e inexperiente para, digamos, dar uma aula, uma aula de escola dominical, ou ter um pequeno grupo de jovens, então ofereça-se para ser assistente em uma classe de crianças ou de um pequeno grupo, e pergunte ao professor ou ao líder se, de vez em quando, você poderia dar testemunho aos jovens, ou às crianças, ou ao pequeno grupo, do que Cristo fez em sua vida, como ele te salvou e o que ele tem feito em sua vida desde que você o segue, o que você está aprendendo com ele.

Agora, faço essas sugestões sobre evangelizar irmãos cristãos – contando-lhes as boas novas que eles já amam – porque acho que essa é a maneira normal de nos prepararmos para falar mais naturalmente com os incrédulos. Deveríamos crescer falando de Cristo e do seu valor e da sua bondade para com os crentes.

Vá fundo com Jesus

Aqui está uma última sugestão. Se você tem um amigo que é incrédulo e acha estranho conduzir conversas normais para o tema Jesus, considere o seguinte. Basta perguntar a ele diretamente se vocês poderiam almoçar juntos, e que você adoraria ter uma conversa com ele sobre algumas coisas importantes nas quais você tem pensado, orado, e você gostaria de ouvir alguns dos pensamentos dele e contar alguns dos seus. Em outras palavras, basta pedir permissão a ele para compartilhar o que é mais importante para você. Isso é realmente mais fácil do que direcionar uma conversa sobre cinema para Cristo.

Acho que uma das razões pelas quais é tão difícil evangelizar nos nossos dias é que as nossas conversas quase nunca são sérias. É muito difícil pegar um filme, uma música ou uma conversa esportiva alegre e dizer: “Ah, a propósito, há alguns assuntos de vida ou morte para conversar”. Não funciona. É a transição que parece estranha. Você apenas precisa ser sincero com as pessoas e dizer: “Podemos apenas ter um momento sério?”

No final, a grande questão é esta: o que se passa no seu coração? Falar sobre Jesus. Este é o meu incentivo final. Fale sobre Jesus como uma pessoa real. Aprofunde-se com ele em sua Palavra enquanto ora sobre ela e aplique-a em sua vida. Seja totalmente real com Jesus até que ele se torne muito precioso para você. Então, quando você falar dele, você se sentirá real porque você é real com o que vive com Jesus.


Conheça os livros de John Piper pela Editora Fiel – clique aqui.

Veja mais episódios do John Piper Responde – clique aqui!


Fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2024/01/posso-ser-cristao-e-nunca-evangelizar/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *