Antes do divórcio, pense nestas coisas

Eu costumava me perguntar por que tantos casamentos terminavam em divórcio. Por que muitos dos meus amigos na escola primária, no ensino médio e na faculdade eram filhos do divórcio. E então, nos anos após a faculdade, eu me perguntava por que tantos de meus colegas já haviam se divorciado.

E então eu me casei. E como qualquer outra pessoa casada, de repente senti como a comunicação entre um homem e uma mulher pode ser dolorosamente difícil. Eu murmurei sobre como a tomada de decisão muitas vezes se tornava cansativa. Eu vi como o casamento tirou mais pecado de mim do que qualquer outro relacionamento antes. Fui confrontado com o quão orgulhoso, defensivo e sensível posso ser quando sou alvo de um pecado. Eu tropecei em todas as típicas (e explosivas) minas terrestres conjugais – orçamento, cronograma, limpeza, conflito, sogros. Comecei a rastrear o quanto nossas origens familiares estavam moldando (e muitas vezes sobrecarregando) nossa nova família.

O namoro acentuou docemente nossas semelhanças; o casamento enfatizou profundamente nossas diferenças. O que parecia tão compatível, tão seguro, tão, bem, fácil no altar, de repente parecia, às vezes, impossível. Em outras palavras, descobrimos por que muitas pessoas se divorciam.

E embora o número de divórcios tenha aumentado nos últimos anos, pelo menos nos Estados Unidos, as tentações de desistir e abandonar nossos votos são quase tão antigas quanto o próprio casamento. Desde que o primeiro marido e a primeira esposa provaram o terrível fruto do pecado, Satanás semeou o pensamento de que o divórcio pode realmente ser melhor do que o casamento – que, seja o que for que Deus tenha dito sobre o casamento, certamente ele entenderia por que seria diferente em nosso caso.

Deus confronta as tentações de divórcio diretamente com uma palavra dura, mas cheia de esperança, por meio do profeta Malaquias, um lugar que talvez não pensemos em procurar por conselhos e clareza sobre o casamento. Não pretendo abordar aqui maridos que sofreram adultério ou abandono. Os homens nos dias de Malaquias, e os homens que tenho em mente, eram maridos cujo amor havia esfriado. Eles partiram porque pensaram que outra mulher, outro casamento, outra vida poderiam finalmente satisfazê-los.

Cinco chamadas de Deus para o despertar

O profeta menor Malaquias nos dá uma visão surpreendentemente clara e profunda (e muitas vezes negligenciada) para o casamento.

Nos dias de Malaquias, os maridos em Israel estavam se divorciando de suas esposas porque seus corações haviam esfriado (Malaquias 2.16) e porque muitos deles queriam se casar com mulheres estrangeiras (Malaquias 2:11). Por que mulheres estrangeiras? Veja este comentário de Iain M. Duguid e Matthew P. Harmon:

“Após o retorno do exílio na Babilônia, Judá era uma região pequena e desfavorecida do Império Persa, cercada por vizinhos muito mais poderosos. Em tal situação, as conexões matrimoniais eram um meio útil de obter vantagens políticas e econômicas”.

Essencialmente, muitos dos homens abandonaram suas esposas em busca de uma vida melhor. Eles decidiram se sustentar, mesmo que isso significasse sacrificar a esposa e os filhos.

Os tempos eram sombrios quando o povo voltou do exílio. A carta começa,

Eu vos tenho amado, diz o Senhor; mas vós dizeis: Em que nos tens amado(Malaquias 1.2).

As pessoas estavam se sentindo abandonadas por Deus. O sofrimento os deixou desesperados, alguns deles desesperados o suficiente para abandonar suas alianças e suas famílias. Por trás da infidelidade conjugal havia um profundo medo e luta – não com o cônjuge, mas com Deus. A pecaminosidade no casamento começa com a pecaminosidade em nosso relacionamento com Deus.

Então, sabendo algo do que esses homens estavam enfrentando e como eles responderam terrivelmente, como Deus os confrontou e os chamou ao arrependimento e à fidelidade no casamento? Ele os repreende e relembra o que é o casamento e por que vale a pena guardá-lo e mantê-lo com todas as nossas forças. E ao fazer isso, ele nos dá cinco grandes palavras para os maridos cristãos tentados a partir.

“O Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança”. (Malaquias 2.14)

Embora ela seja sua esposa por aliança. Quando Deus confronta esses homens que foram atrás de outras mulheres mais desejáveis, o que ele os lembra primeiro? Você fez uma promessa. Desde o início, Deus disse:

 “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”. (Gênesis 2.24). 

Se unir aqui não significa um abraço caloroso e afetuoso, mas uma devoção exclusiva e constante — uma aliança (Deuteronômio 10.20; Provérbios 2.16–17).

Quando você jurou, diante de Deus e das testemunhas: “Eu recebo você, em união a partir de hoje, no melhor ou pior, na riqueza e na pobreza, na doença e na saúde, para amar e cuidar, até que a morte nos separe, ” o que você quis dizer? Seu voto foi apenas uma ambição – “Bem, nós tentamos. . .” — ou foi uma promessa?

Um casamento é uma celebração não do amor encontrado, mas do amor declarado, do amor prometido. Fazemos promessas justamente porque, por mais comprometidos que nos sintamos em nosso vestido branco e Terno alugado, podemos querer ir embora um dia. Porque o casamento é realmente difícil. Se abandonamos nossa promessa quando ela não nos serve mais, provamos que o voto não era realmente uma promessa, mas apenas uma forma formal de conseguir o que queríamos.

  • O divórcio vandaliza o que Deus criou.

Não fez o Senhor um, mesmo que havendo nele um pouco de espírito”. (Malaquias 2.15)

Ao considerar o divórcio, qualquer homem deve se lembrar de que o casamento é muito mais do que “a união legal ou formalmente reconhecida de duas pessoas como parceiras em um relacionamento pessoal”. Um casamento é a união de um homem e uma mulher por Deus. E não apenas por Deus, mas com algo dele em sua união – “com uma porção do Espírito”. Esta não é apenas uma união social ou física, mas espiritual. E como muitos cerimonialistas de casamento notaram, “o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade”. (Eclesiastes 4.12) – marido, esposa e Senhor.

A imagem que o profeta pinta se aproxima de uma que o próprio Jesus pintou em Mateus 19.4–6 (citando Gênesis 2.24): “Não lestes: Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão os dois uma só carne? Portanto, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, não o separe o homem”. O divórcio destrói uma obra-prima divina. Não importa como vocês se conheceram, como namoraram e como decidiram se casar, Deus casou vocês. Deus os fez um. Você desfaria o que ele fez?

  • Divórcio mente para os filhos de Deus.

E o que Deus estava buscando? Buscava uma descendência divina. (Malaquias 2.15)

Deus fez do casamento uma aliança abundante, multiplicadora e frutífera.

Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra”. (Gênesis 1.27–28) 

Quando ele criou marido e mulher, estava buscando descendência.

E não qualquer descendência, mas uma descendência que o amasse, honrasse e obedecesse:

 “O Senhor, teu Deus, circuncidará o teu coração e o coração de tua descendência, para amares o Senhor, teu Deus, de todo o coração e de toda a tua alma, para que vivas”. (Deuteronômio 30.6) 

Deus quer uma descendência piedosa de nossos casamentos.

Esses descendentes nem sempre são biológicos:

  “Não tenho maior alegria do que esta, a de ouvir que meus filhos andam na verdade”. (3 João 4)

Portanto, não precisamos gerar filhos ou filhas para cumprir o encargo de Deus de sermos frutíferos e multiplicarmos. Na verdade, as dimensões mais importantes e duradouras são espirituais (fazer discípulos), não biológicas (ter filhos).

Então, como seu divórcio pode afetar espiritualmente seus filhos? Que danos, ao longo de décadas, isso pode causar? Se os casamentos fiéis recontassem a história do evangelho (Efésios 5.25), convidando nossos filhos ao amor indescritível de Deus em Cristo – o que o divórcio diria a eles? Imagine as barreiras que isso pode colocar entre eles e Deus. Imagine como a dor e a traição podem fazê-los questionar seu amor e fidelidade. Imagine como seu divórcio pode confundir e abalar a fé deles (e a fé de outros jovens que o admiram).

  • Divórcio encharca a alma na violência.

Porque o Senhor, o Deus de Israel, diz que odeia o divórcio e também aquele que cobre de violência as suas roupas, diz o Senhor dos Exércitos. Portanto, tenham cuidado e não sejam infiéis”. (Malaquias 2.16)

A palavra mais forte para esses maridos vem no final: se um homem se divorcia de sua esposa por falta de amor, ele “cobre suas vestes com violência”. Parece terrível o suficiente, mesmo para os ouvidos modernos, mas o que isso significa?

A vestimenta é uma metáfora comum nas escrituras que revela a qualidade do caráter de uma pessoa. O salmista diz sobre os ímpios,

Daí, a soberba que os cinge como um colar, e a violência que os envolve como manto”. (Salmos 73.6).

Da mesma forma, no Novo Testamento, Jesus diz a uma das sete igrejas:

  “Tens, contudo, em Sardes, umas poucas pessoas que não contaminaram as suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois são dignas”. (Apocalipse 3.4).

Ele quer dizer que eles mantiveram suas almas imaculadas pelas manchas do pecado impenitente.

E a violência é uma imagem não apenas da crueldade do divórcio. É um ato violento, especialmente naquela época, quando a mulher dependia muito mais do marido para provisão e proteção. Ainda hoje, abandonar a esposa é um ato de violência contra ela (por mais civilizado que tenha sido o processo). Um homem que se divorcia de sua esposa prejudica aquela que Deus lhe deu para proteger.

Mas a violência é mais do que brutalidade relacional, porque esse homem usa a violência como uma vestimenta. A violência não é apenas o que ele faz, mas quem ele é. Ele não apenas terminou seu casamento com violência, mas encharcou sua alma de violência. Esse tipo de corrupção é o que Deus viu quando olhou para seu mundo caído:

 “A terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de violência”.(Gênesis 6.11). 

E como Deus respondeu? Com julgamento justo e devastador contra eles (Gênesis 6.13).

E assim essa violência, essa pecaminosidade impregnada na alma, não é apenas violência contra a esposa, mas violência contra Deus – contra sua vontade e seus mandamentos. A violência não é simplesmente dureza conjugal, mas agressão a Deus. É o tipo de rebelião que provocou a inundação do mundo inteiro.

  • Deus ouve os homens que permanecem.

A maneira como lidamos com as lutas conjugais é tão crucial, em parte porque Deus ligou nossa fidelidade no casamento à nossa experiência de Deus. Nenhum homem pode abandonar sua esposa e ainda prosperar espiritualmente.

Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações”. (1 Pedro 3.7)

Mesmo que um homem pense que pode prosperar espiritualmente enquanto negligencia ou abandona sua esposa (ou se ele engana aqueles ao seu redor os fazendo pensar assim), é apenas uma miragem que terminará em destruição. E essa destruição prejudicará muito mais do que ele.

Malaquias dá o mesmo aviso ao confrontar os homens:

Há outra coisa que vocês fazem: cobrem de lágrimas o altar do Senhor , com choro e gemidos, porque ele já não olha para a oferta nem a aceita com prazer.
E vocês perguntam: “Por quê?” Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre você e a mulher da sua mocidade, a quem você foi infiel, sendo ela a sua companheira e a mulher da sua aliança”. (Malaquias 2.13–14)

Deus se recusou a receber as ofertas deles ou responder a suas orações porque se recusaram a amar suas esposas.

A maneira como você trata sua esposa afetará a maneira como Deus o trata. Não porque os maridos recebem o amor de Deus através das obras, mas porque nossas obras revelam nossa fé. Se formos fiéis no casamento apenas quando for agradável ou conveniente, revelamos quão pequeno Deus e seus mandamentos realmente são aos nossos olhos. Mostramos se somos verdadeiramente homens de fé ou homens sem fé. E os homens infiéis não têm ouvidos do céu.

Guardai-vos em espírito

Quando Deus confronta esses homens e os chama para permanecerem fiéis a suas esposas, ele os ordena, mais de uma vez: “Guardai-vos em vosso espírito” (Malaquias 2.15-16). Em seu espírito. Como isso pode parecer para homens cristãos em casamentos em dificuldades?

Mais do que tudo, significará comunhão profunda, significativa e regular com o fiel Noivo de nossas almas. O Noivo que se entregou por sua noiva imunda e infiel, a igreja, para santificá-la e purificá-la (Efésios 5:25–26). O Marido que, apesar de quão longe sua esposa correu, de quantos amantes ela conheceu, quantas vezes ela mentiu e partiu, ainda diz a ela – para nós,

“Naquele dia, diz o Senhor, ela me chamará: Meu marido”. . . . Desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias; desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor”. (Oséias 2.16, 19–20)

Os homens que podem partir fariam bem em passar mais tempo perguntando por que Deus ainda não partiu. Mais tempo sob as vigas que compraram seu perdão e vida. Mais tempo meditando no dia do casamento que virá, quando cantaremos,

“Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou,
pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos”. (Apocalipse 19.7–8)

Se nos falta força, paciência e recursos para ficar e amar, não é porque Deus não nos forneceu. É apenas porque não amamos a noiva de nossa juventude com a ajuda infinita do céu.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *