Por que Deus me chamou para ser auxiliadora?

“Para o homem, todavia, não se achava uma auxiliadora que lhe fosse idônea.” (Gn 2.20).

Auxiliadora. Muitas mulheres atualmente se irritam com essa palavra, com essa caracterização de nosso chamado de Deus. Uma auxiliar claramente não está no comando. Uma auxiliar geralmente não é o centro das atenções. Uma auxiliadora pode sentir (e com razão!) que ela tem dons e talentos que a capacitam a fazer o trabalho melhor. Uma auxiliar raramente recebe tanto reconhecimento por seu trabalho. Uma auxiliar pode se sentir uma cidadã de segunda classe. E poderíamos continuar.

Algumas dessas suposições podem ser verdadeiras, algumas são mentiras descaradas, mas todas elas não entendem o ponto. Cada uma das afirmações acima vem da perspectiva de criaturas caídas, socializadas no mundo moderno; ninguém tenta seriamente considerar o que o próprio Criador tinha em mente quando planejou e designou chamados para homens e mulheres.

Quando Deus criou o homem e a mulher, ele não quis glorificar os homens e rebaixar as mulheres, como se auxiliadora de alguma forma significasse ser menor. Deus criou os humanos — homens e mulheres juntos — como o pináculo de toda a criação, criando ambos à sua própria imagem (Gênesis 1:27). Ele os criou com atributos, inclinações e dons distintos e complementares que os tornam indispensáveis um ao outro e ao seu plano de encher a terra com sua glória.

Auxiliadora com a mesma honra

Agora, Deus fez o homem primeiro e deu ao homem a responsabilidade primária (e prestação de contas) para a realização de seu plano (Gênesis 2.7, 15–17; 1 Timóteo 2.13) para estender sua glória (Efésios 1:10 ). Mas, ao dar ao homem a responsabilidade primária e a prestação de contas, será que Deus pretendia que Adão fosse um “minideus” na terra, decididamente superior à sua esposa, que também foi feita à imagem de Deus?

Não. Antes de Deus criar Eva a partir de Adão, ele humilhou Adão ao permitir que ele descobrisse como sua tarefa seria impossível sem ajuda — a ajuda de Deus e a ajuda humana. Deus já havia indicado que não era bom que o homem estivesse sozinho (Gênesis 2.18), mas então ele colocou Adão para nomear todos os animais e construir a descoberta de que “não foi encontrada uma auxiliadora que lhe fosse adequada” (Gênesis 2.19–20). Então, na criação de Eva, o “finalmente” de Adão mostra o alívio e o deleite que ele sentiu (Gênesis 2.23). Ele sabia que precisava de uma ajudante para esta missão.

A mulher, então, não foi criada como uma escrava subjugada, mas como bênção mútua para ambos. Ela foi, e é, uma parceira e auxiliadora essencial na grande obra de dominar a criação e encher a terra com seres à imagem de Deus, dando glória sobre glória ao Deus eternamente digno.

A mentira distorcida de que Adão é mais importante, que o chamado de Adão significa poder e privilégio, e a subjugação de Eva, brota do orgulho que os corações humanos abrigam desde a queda. Os homens muitas vezes se orgulham de liderar com poder dominador, e as mulheres muitas vezes se enchem de justa indignação, afirmando que têm tanto direito ao poder e privilégio quanto os homens.

Claro, Adão não poderia assumir a responsabilidade (e prestação de contas) sem a capacidade associada (e fardo) para tomar decisões importantes. Mas em toda a Bíblia, e especialmente na vida de Jesus, vemos que todo poder terreno está sujeito ao Deus justo e santo. Um exercício sagrado de qualquer habilidade pode não agradar a todos, mas nunca deve ser egoísta ou opressivo, e sempre deve ser caracterizado pela humildade e auto-sacrifício. A liderança egocêntrica e intimidadora nunca foi o chamado de Deus.

Da mesma forma, o ressentimento centrado no egoísmo ao ser chamada para ser ajudante também não.

Orgulho dos dois lados

A esta altura, imagino que algumas mulheres hoje queiram dizer: “Mas a liderança dos homens ao longo dos tempos raramente refletiu humildade e auto sacrifício. Os homens abusaram do poder e oprimiram as mulheres (e os outros) em todas as gerações! ” Sim, eles certamente agiram assim. E eu não estou dando desculpas quanto a isso de forma alguma. Ao contrário, ansiamos e oramos por justiça nesta vida terrena, e minha alma estremece quando vejo homens abusando de sua autoridade. Se você acredita por um momento que um Deus justo e santo não responsabilizará os homens por tal comportamento pecaminoso, você não está familiarizado com o Deus da Bíblia. O julgamento é real e está chegando.

Ao mesmo tempo, não podemos condenar os homens sem reconhecer que as mulheres também são culpadas por nos preocuparmos mais com nossa própria imagem, avanço, poder e talvez até mesmo com “direitos”, do que com honrar nosso Deus sendo o tipo de pessoa que ele nos fez para ser. O povo de Deus foi feito para acolher com humildade, sacrifício e alegria o privilégio de seus chamados dados por Deus e se deliciar em refletir a própria beleza e justiça de Deus nesses chamados. Oh, como homens e mulheres deveriam se prostrar em arrependimento – e ação de graças – ao reconhecermos nossas falhas e nos apoiarmos na graça amorosa de Deus por meio de Jesus.

Exceções e a regra

Então, não podemos escapar da conclusão de que Deus criou os homens para agir como o cabeça de nossos lares e de nossas igrejas. Em alguns casos na Bíblia, como uma medida desesperada revelando tempos desesperados, Deus chamou mulheres para papéis de liderança normalmente atribuídos a homens, mas as Escrituras não sugerem que Deus alterou seu plano original. Não há indicação, por exemplo, de que depois de Débora houvesse um número crescente de juízas (Juízes 4.1–16), ou que Abigail, depois de discretamente tomar a iniciativa de proteger sua comunidade do mau julgamento de seu marido “inútil” (1 Samuel 25.14–35), e mais tarde se casou com Davi, assumiu o controle desse relacionamento.

Quando Jesus entra em cena nos Evangelhos, vemos mulheres profundamente envolvidas em seu ministério (como em Lucas 8.1–3). Se alguém fosse justificado em dominar seu poder e posição sobre os outros, teria sido Jesus, mas ele nunca liderou dessa maneira (Marcos 10.42–45). Ele claramente amava e acolhia as contribuições das mulheres para o ministério. Ao mesmo tempo, porém, Jesus não mencionou mulheres entre os seus doze discípulos. Paulo também trata as mulheres com uma consideração extraordinariamente alta ao longo de seu ministério, até mesmo elogiando Febe como sua mensageira para a igreja de Roma (Romanos 16.1–2), mas ele claramente não ordenou mulheres como presbíteras pastoras (1 Timóteo 2.12–3.7).

Os caminhos de Deus frequentemente viram os nossos de cabeça para baixo, mas disso temos certeza: Deus não deseja que pequemos e nos rebelemos contra ele, mas que vejamos a sabedoria e o amor supremos por trás de seu plano e dediquemos nossas vidas com entusiasmo ao seu chamado. Nós glorificamos a Deus quando cremos nele e o obedecemos com alegria.

Estamos ajudando?

Irmãs em Cristo, é maravilhoso que Deus nos tenha chamado para sermos auxiliadoras. Somos auxiliadoras à imagem de Deus, e somente nós somos feitas para carregar os portadores da imagem de Deus em nosso ventre. Que responsabilidade sagrada e santa! Se Deus lhe deu um marido, você foi feita para se encaixar e ajudar esse homem a quem Deus encarregou da liderança. Se você (ainda) não é casada, mas gostaria de ser, a palavra “auxiliadora” é um lembrete para ser sábia e ter discernimento antes de aceitar um marido. Escolha um homem piedoso que você ajudará de bom grado enquanto ele lidera.

Se nos humilharmos diante de nosso Deus, teremos a oportunidade de usar nossa fé, criatividade, discernimento, dons e habilidades para unir-nos, edificarmos e encorajarmos maridos, pastores e outros líderes homens. Se trouxermos um coração humilde de serva e verdadeira alegria em Jesus para nossa tarefa, quem sabe como podemos mudar a dinâmica relacional e contribuir muito mais do que podemos pensar ou imaginar?

Estamos ajudando? Nosso espírito está cheio de descontentamento e inveja pelo chamado que Deus nos deu, ou estamos encantadas por receber uma oportunidade tão importante de governar e reinar com nossos homens em Cristo? Estamos julgando em vez de tentar entender? Somos críticas em vez de sermos compassivas e encorajadoras? Somos fiéis – confiando que Deus colocou os líderes homens em nossas vidas para seus bons propósitos?

Mulheres, vamos deixar de lado nossas próprias visões distorcidas do que significa ajudar e pedir a Deus que nos mostre como ele planejou esse chamado para ser uma bênção para nós, para os homens em nossas vidas, para nossa comunidade e para toda a criação. Vivemos e servimos para agradar o Único e ele se deleitou em nos tornar auxiliadoras em seu grande plano. Oh, que possamos nos deliciar com este chamado também.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *