Como saber a vontade de Deus para minha vida?

Transcrição do audio

 

Dúvidas sobre nosso chamado são comuns. Deus nos deu  talentos, habilidades, inclinações, instintos, preferências, capacidade mental e emocional. Mas qual é meu papel baseado nos meus dons? Esse é o tema da pergunta que vou ler agora:  

“Oi Pastor John, meu nome é Sandra. Sou estudante na universidade de Ohio. Muito obrigada por esse podcast e por responder nossas perguntas. Fui salva a quase 10 anos, e amo a Cristo. Nos livros que leio, nas conferências que participo, busco entender o chamado de Deus para minha vida. Preciso da resposta! Mas tenho dificuldades.

Talvez, vou abrir uma empresa. Talvez vou ser mãe e cuidar da casa e da família. Talvez missionária. Seria bom saber o que Deus tem pra mim, mas nem sei por onde começar… a não ser pela oração. Como posso descobrir o chamado de Deus pra minha vida? Por onde começo?”

 

Essa pergunta nunca será ultrapassada porque as gerações precisam da mesma resposta. Raramente é fácil responder isso, assim, obrigado Sandra, pela oportunidade que tenho de compartilhar grandes verdades Bíblicas.

Me encontro aqui orando, antes de responder esta pergunta, para que Deus possa usar minha resposta para fazer com que centenas de pessoas encontrem seu preciso, glorioso, e maravilhoso propósito. Pode ser óbvio para você, mas não para todos, então vou distinguir os três tipos de chamado.

Chamado da morte para a vida:

Primeiro, tem o tipo de chamado onde Deus fala que estamos mortos no pecado – este chamado nos retira dessa morte do pecado, para uma vida em união com Cristo. Paulo estava falando desse chamado quando disse “ Porque tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus.“ (1 Coríntios 1.22-24)

“Deus, não permita que eu faça escolhas que farão eu desperdiçar minha vida.” Milhões de pessoas escutam o chamado de Deus na pregação do evangelho. Mas Paulo diz que, entre os milhões, alguns consideram a mensagem como tolice. Alguns como uma pedra de tropeço. Porém outros, têm uma experiência divina, através deste chamado de Deus, que as fazem dizer “O Cristo crucificado é a sabedoria de Deus. O Cristo crucificado é o poder de Deus.”

Esses recebem a palavra, e são salvos. Todos Cristãos têm esse tipo de chamado. Fomos feitos Cristãos pelo chamado soberano de Deus que nos retirou da morte, para a vida.

Chamado para a aliança :

Segundo, temos um outro tipo de chamado que diz que devemos ter alianças vitalícias feitas diante de Deus. O principal pacto ordenado na Bíblia é o casamento. Quando Deus une duas pessoas em aliança – a principal analogia é a de Cristo em aliança com a igreja em Efésios 5 – quando Deus une um homem e uma mulher desta forma, Jesus disse que Deus os uniu de tal forma que nenhum homem pode separar isso. (Marcos 10.9). Então o chamado do casamento é diferente do chamado para uma vocação específica.

Quando você escolhe um emprego, você não está fazendo uma aliança diante de Deus. Você pode trocar de emprego. Quando você casa, seu chamado é “Até que a morte os separe.” Esse é o segundo tipo de chamado. Não é igual o terceiro tipo de chamado que eu vou falar agora, que na verdade é o tipo de chamado da pergunta da Sandra.

Chamado para um processo:

O terceiro tipo de chamado é um processo. Estou dizendo que esse chamado de Deus é um processo no qual Deus conduz seus filhos até posições de serviço frutíferas, seja na igreja, no mercado de trabalho ou em casa.

O jeito de podermos ouvir esse tipo de chamado é estar atento a seis modos no qual Deus age em nosso lugar, para nos conduzir a posições de serviço frutíferas no mundo. Não necessariamente uma posição que teremos em cinquenta anos. Podemos experimentar esse movimento quando o chamado de Deus se movimenta. Mas, e o próximo chamado? É isto que a Sandra está perguntando. Qual será o próximo chamado que poderá ser para o resto da minha vida ou pode ser apenas por dez anos?

Aqui estão estes seis modos, eu falarei de cada um brevemente. Ela disse “Eu não sei por onde começar, a não ser pela oração.” Bem, a oração é um dos seis. Então aqui estão mais cinco para você focar.

1. Busque o bem

Deus nos deu nas escrituras uma visão de mundo com Cristo no centro, e isso nos revela que algumas vocações, algumas indústrias, ou algumas formas de operar nessas indústrias são boas, e outras ruins.

“Em um mundo onde as escolhas são muitas, os presentes de Deus se tornam uma parte significativa/essencial do chamado de Deus.” Quando não está claro o que é certo ou errado, ele nos mostra que certos caminhos de serviço são mais, ou menos úteis no mundo.

Nos mostrando isso, Ele trabalha em nós, nos deixando longe de chamados que seriam inúteis, dolorosos e malignos no mundo. Nem toda vocação está aberta para o seguidor de Cristo, e isso é um ponto muito importante de orientação que Deus nos dá.

2. Corra em direção à necessidade

Deus, através de sua palavra, nos mostrou o que é necessidade e do que o mundo realmente precisa. Ele agiu em seu povo, para nos inclinar para satisfazer tais necessidades, ao invés de apenas pensar sobre nossa própria segurança, conforto e riqueza, e isso deve nos guiar em nossa vocação.

Jesus diz em Marcos 12.31, “Ame teu próximo como a si mesmo”. Ele nos fez conscientes de como definir a necessidade humana. Ele nos deu olhos e ouvidos para discernir onde estão tais necessidades. Então nos conduz para longe do nosso próprio egoísmo, em direção da necessidade, para então nos mostrar as reais necessidades do mundo.

3. Não esqueça do que você ama

Deus concedeu a todo Cristão várias habilidades, podemos chamá-las de dons. Preste atenção como Paulo fala disso, escute bem e terá um gostinho do que eu quero dizer. Não estou apenas falando de algo que você dirá “Bem, isso é só espiritual. Pertence na Igreja.”

Aqui está o que ele diz em Romanos 12.6-8: “Tendo dons que diferem de acordo com a graça que nos foi dada”- graça diferente – “Deixe-nos usá-los: Se for profecia, em proporção de nossa fé; se for serviço, em nosso serviço; aquele que ensina, em seu ensino; aquele que exorta, em sua exortação; aquele que contribui, em generosidade; aquele que conduz, com zelo; aquele que age em misericórdia, com alegria.” 

“Se santidade é o chamado de Deus, é correto dizer que os desejos produzidos pela santidade são significativos para sua orientação.”

Agora, estes três últimos  – contribuição, conduzir, e graça –  tem que nos fazer acordar e perceber que esses dons tem uma aplicação tanto na vida e comunidade Cristã, quanto na vida diária e relacionamentos no mercado de trabalho.

O ponto para destacar aqui é que todos temos inclinações, intuições, instintos, habilidades, capacidade mental e emocional diferentes, gostos diferentes, capacidades diferentes de estresse e resistência, capacidades diferentes com multidões e solitude e assim vai. Deus nos fez diferentes! Isto quer dizer que ele nos projetou para ser mais eficientes em algumas coisas e não outras, mais em casa fazendo certas coisas invés de outras.

Quando digo em casa não quero dizer apenas isso, não estou falando que devemos fazer apenas o que queremos em casa. Eu acho que isso é um grande erro que muitos jovens fazem hoje. Eles dizem “Vou fazer apenas o que se adequa aos meus talentos, farei apenas o que perfeitamente se encaixa às minhas inclinações. Farei só o que me faz sentir realizado, porque isso serve perfeitamente, como uma luva em minha mão.”

Bem, houve muitas vezes na história que, para permanecer vivas, ou para fazer o bem, as pessoas tiveram que fazer muitas coisas que não se acharam adequadas, simplesmente porque precisavam ser feitas.

Mesmo assim, darei um passo atrás e direi que em um mundo onde as escolhas são muitas, e isso é verdade no ocidente, os dons de Deus se tornam uma parte mais significante de seu chamado.

4. Esteja pronto para ouvir

Deus colocou sábios orientadores em nossas vidas e ordenou em sua palavra para que nós os escutemos com cuidado. Uma das necessidades reais ao nosso redor é para que nos escutemos os nossos orientadores.

Provérbios 11:14 diz: ”- Para nós não agirmos em um vácuo. Não tente procurar a vontade de Deus em sua vida em um vácuo. Somos parte de uma comunidade de sabedoria e amor.

5. Ajoelhe-se

Deus nos deu o dom da oração precisamente para o propósito de sermos mais sábios com as escolhas que fazemos. “-“(Tiago 1:5). Então oramos por todos esses pontos, dia e noite.

Eu ainda faço isso com 72 anos. Eu oro, “Deus, não me deixe fazer escolhas sobre o que eu faço que desperdiçariam minha vida, ou o que resta dela.”

6. Considere os seus sonhos e interesses algo santo

Esse é um pouco controverso porque é o mais subjetivo. Mas eu digo que, Deus através de todas estas coisas – e isso é importante, através de todas estas coisas – e então através do seu Espírito, mais subjetivamente, trabalha em nossa mente e coração para produzir, desejos fortes e recorrentes para um tipo específico de serviço na igreja ou no mercado de trabalho. Essas inclinações são muito significantes – elas são significantes em nos guiar quando ocorrem nos nossos momentos mais sagrados.

Sim, estou falando que seus desejos são um modo significativo no qual Deus age em seu lugar para te dar a orientação que você precisa no serviço que você pertence. Estou dizendo que esses desejos têm três características sobre eles quando são os mais confiáveis.

Eles são recorrentes. Não são fogo de palha. Eles voltam de novo e de novo e de novo.

Eles são fortes. Eles não estão de passagem e fracos e insignificantes como mudar de gosto.

Mais importante, número três, esses desejos não foram desejos despertados quando você estava andando em pecado, sentindo distante de Deus, não gostando da adoração, não gastando tempo no mundo ou não ativamente servindo os outros. Não, não, não. Desejos que acontecem durante estes momentos provavelmente não são confiáveis de forma alguma. Paulo disse, “Esta é a vontade de Deus, sua santificação (santidade)” (1 Tessalonicenses 4.3). Alunos costumavam me perguntar, “Como eu posso saber a vontade de Deus?” Eu dizia, “Eu sei exatamente qual é a vontade de Deus para sua vida: Santidade. Ponto. Essa é a vontade de Deus.” Se santidade é a vontade de Deus para você, é seguro dizer que os desejos produzidos pela santidade são significativos para a sua orientação.

 

Então aqui estão eles:

Quais tipos de serviço são bons e benéficos?

Quais são as necessidades do mundo, as necessidades reais?

O que Deus me deu para ser mais ou menos frutífero?

Qual a orientação que recebi de pessoas piedosas?

Estou cobrindo tudo isso de orações constantes para sabedoria?

Quais são os meus recorrentes, fortes, interesses santos?

 

 


Para saber mais sobre este assunto, recomendamos o livro Tomando decisões segundo a vontade Deus, Editora Fiel

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *