Ser humano | Somos apenas um monte de átomos?

O ser humano pode ser reduzido apenas a átomos?

Sim, em uma das camadas da realidade que Deus criou, os seres humanos – e tudo mais o que existe neste universo – são constituídos de átomos [i]. Contudo, a cosmovisão naturalista ou materialista considera essencialmente que os seres humanos são feitos apenas de átomos, e que tudo o que o indivíduo vivencia, em termos de emoções e pensamentos, por exemplo, pode ser explicado a partir do que acontece com os seus átomos. Esta é uma visão reducionista, que é típica de quem enxerga o mundo através do naturalismo filosófico (ateísmo), e normalmente também através do evolucionismo (darwinismo).

Será que nós somos apenas átomos, combinados em moléculas, que por sua vez se organizam em estruturas bioquímicas cada vez mais complexas e em organelas celulares, e estas se estruturam em células, tecidos e órgãos, até constituir todo o organismo humano? Há uma estimativa de que um homem de 70kg tenha cerca de 7×1027 (sete octilhões: 7.000.000.000.000.000.000.000.000.000) de átomos em seu organismo, e que aproximadamente 98% destes átomos são renovados anualmente, por meio dos ciclos bioquímicos naturais dos elementos químicos (principalmente carbono, nitrogênio, oxigênio e hidrogênio), através da ingestão de alimentos sólidos e líquidos, trocas gasosas com o meio ambiente (respiração) e eliminação de dejetos.

Do ponto de vista celular, enquanto alguns tecidos, como a pele e a mucosa estomacal, são conhecidos por se regenerar com maior frequência, outros tipos de células são renovados mais lentamente. Há uma estimativa de que uma grande parte das células de um ser humano tenha apenas cerca de 10 (dez) anos de idade – ou até menos – mesmo que este indivíduo seja avançado em idade cronológica. Esta espantosa taxa de renovação ou regeneração pode, até mesmo, promover discussões filosóficas sobre a identidade do ser humano em constante renovação, como por exemplo, o paradoxo do “navio de Teseu”.

No livro “The Ultimate Proof of Creation”, Jason Lisle comenta: “Se os seres humanos são apenas acidentes químicos, porque deveríamos nos importar com o que eles fazem? Nós não ficamos contrariados quando bicarbonato de sódio reage com vinagre; isto é exatamente o que os reagentes químicos fazem. Então, por que um evolucionista ficaria contrariado com qualquer coisa que um ser humano fizesse a outro, se nós não passamos de reações químicas complexas?”

Usando um argumento similar, John Lennox, em seu livro “Gunning for God”, desenvolve o seguinte raciocínio lógico: “Depois de tudo, como o químico J.B.S. Haldane destacou, já faz algum tempo, que se os pensamentos em minha mente são apenas o movimento de átomos em meu cérebro – um mecanismo que surgiu por processos não guiados e não inteligentes, porque eu deveria acreditar em qualquer coisa que eles me dizem – incluindo o fato de que eles são feitos de átomos?”

John Lennox continua explorando esta questão da cosmovisão reducionista em seu livro “God and Stephen Hawking”, apresentando o conceito da seguinte forma: “Como Francis Crick, ele quer nos fazer crer que nós, seres humanos, não somos nada além de ‘meras coleções de partículas fundamentais da natureza’. Crick escreve: ‘Você, suas alegrias e tristezas, suas memórias e ambições, seu senso de identidade pessoal e livre arbítrio, são na verdade nada mais do que o comportamento de um vasto conjunto de células nervosas e suas moléculas associadas’… Uma pintura de Rembrandt não seria mais do que moléculas de tinta espalhadas em uma tela?… Afinal de contas, se o próprio conceito de verdade resulta de ‘nada mais do que o comportamento de um vasto conjunto de células nervosas’, como, em nome da lógica, poderíamos saber que o nosso cérebro foi constituído de células nervosas?”. Estes argumentos relembram o que veio a ser conhecido como a “Dúvida de Darwin”: “…Para mim, sempre surge a dúvida horrível se as convicções da mente humana, que foi desenvolvida a partir da mente de animais inferiores, têm algum valor ou são confiáveis”.

O físico de partículas, teólogo e reverendo inglês, John Polkinghorne, descreve:

Se a tese de Crick é verdadeira, nós nunca poderíamos saber. Pois, não apenas relega nossas experiências de beleza, obrigação moral e busca religiosa, a uma sucata epifenomenológica, mas também destrói a racionalidade. O pensamento é substituído por eventos neurais eletroquímicos. Estes dois eventos não podem confrontar um ao outro em um discurso racional. Eles não estão nem certos nem errados. Eles simplesmente acontecem… As próprias afirmações do reducionista não são mais do que sinais pontuais na rede neural do seu cérebro. O mundo do discurso racional dissolve-se na conversa absurda do disparo de sinapses. Francamente, isso não pode estar certo e nenhum de nós acredita que seja assim.

Na obra “One World: The Interaction of Science and Theology“, John Polkinghorne continua a combater o reducionismo extremo da cosmovisão naturalista/materialista, apresentando uma oportuna e relevante visão da realidade em múltiplas camadas:

A realidade é uma unidade de muitas camadas. Eu posso perceber outra pessoa como um agregado de átomos, um sistema bioquímico aberto interagindo com o ambiente, um exemplar de Homo sapiens, um objeto de beleza, alguém cujas necessidades merecem meu respeito e minha compaixão, um irmão ou irmã por quem Cristo morreu. Tudo verdadeiro e tudo misteriosamente coexiste nesta pessoa. Negar um desses níveis é diminuir tanto essa pessoa quanto a mim, que a observo; é faltar com a justiça à riqueza da realidade. Parte da apologética a favor do teísmo é que em Deus, o Criador, o fundamento de tudo o que há, esses diferentes níveis encontram abrigo e segurança. Ele é a origem de toda ligação, aquele cujo ato criador reúne em uma só as visões de mundo da ciência, estética, ética e religião, como expressões de sua lógica, sua alegria, sua vontade e sua presença.

Partindo-se de uma linha de pensamento mais próxima da filosofia, porém alinhada com os mesmos argumentos apresentados acima para o problema do reducionismo naturalista/materialista, o filósofo cristão Francis Schaeffer, em seu livro “O Deus que se revela”, defende a cosmovisão cristã da seguinte forma:

Quando partimos de uma origem pessoal de todas as coisas, então estaremos em condições de entender a vocação do ser humano para a personalidade, como uma das explicações possíveis. Se partirmos de um nível inferior à personalidade, no final teremos que reduzir a personalidade ao impessoal. O mundo científico moderno assim procede em seu reducionismo, no qual a palavra personalidade limita-se ao caráter do impessoal, acrescido de complexidade. No mundo científico naturalista, seja da sociologia, seja da psicologia ou das ciências naturais, o ser humano é reduzido a algo impessoal, acrescido de complexidade… Lamentável geração! Os homens, feitos à imagem de Deus, com o intuito de estar em comunicação vertical com aquele que existe e que deseja lhes falar, e para ter comunicação horizontal com seres da sua própria espécie, transformaram-se a si mesmos, devido ao seu racionalismo soberbo, em seres autossuficientes, chegando a este lugar… Assim, temos três fatos simultâneos: Deus, o Deus pessoal infinito fez o universo; o homem, a quem ele fez para viver naquele universo; e a Bíblia, que ele nos deu para falar sobre o universo. Seria de se estranhar haver unidade entre estas coisas? Por que motivo deveríamos ficar surpresos?… Não é de surpreender o fato de que, se um Deus inteligível criou o universo e me colocou dentro dele, ele tenha igualmente correlacionado as categorias da minha mente, para que elas se encaixassem neste universo, simplesmente porque eu preciso viver nele. Esta é uma simples extensão lógica dos meus pontos anteriores. Se o mundo foi feito da forma como o sistema judaico-cristão afirma que foi, não deveríamos nos surpreender ao encontrar categorias mentais no homem que concordam com o universo em que ele vive.

O teólogo e reformador cristão João Calvino, no parágrafo 20 do capítulo XIV encontrado no primeiro livro das “Institutas da Religião Cristã”, empunhou sua pena para escrever:

E assim criou o céu e a terra com a mais plena abundância de todas as coisas, pela variedade e beleza, como se tivesse ornado admiravelmente uma ampla e esplêndida morada, ao mesmo tempo mobiliada e repleta do mais excelente e copioso. Por fim, ao dar forma ao homem, tocando-o com tanto brilho, tornando-o insigne com todos e tantos dons, fez dele o espécime mais notável de suas obras.

A cosmovisão cristã declara que o ser humano é muito mais do que apenas átomos, e a própria Escritura dignifica o ser humano como uma criação especial de Deus, como pode ser observado abaixo, em alguns exemplos de textos bíblicos:

“Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gn 1.27)

“Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que estabeleceste, que é o homem, que dele te lembres? E o filho do homem, que o visites? Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste” (Sl 8.3-5)

“Mas agora, ó SENHOR, tu és nosso Pai, nós somos o barro, e tu, o nosso oleiro; e todos nós, obra das tuas mãos” (Is 64.8)

“Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas” (Ap 4.11)

Contudo, o que poderia dignificar mais o ser humano, do que o próprio Filho do Deus vivo (Mt 16.16), o Verbo da vida (1Jo 1.1), ter assumido a natureza humana? Jesus Cristo, “a imagem do Deus invisível” (Cl 1.15-20), é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem. Entretanto, este Emanuel (Is 7.14; Mt 1.23), “Deus conosco”, não viveu neste mundo à parte do sofrimento humano, mas se compadeceu de nossas fraquezas (Hb 4.14-16), sofrendo e experimentando as provações e dores da existência humana (Is 53; 1Pe 4.1), até o ápice da sua morte na cruz do Calvário (Jo 19.17). No entanto, o túmulo de Jesus está vazio, e isto é um fato que deve preencher de esperança o coração e a alma do verdadeiro crente ou discípulo de Cristo, por causa da sua graciosa e misericordiosa obra de redenção.

J.I. Packer, em sua obra “O conhecimento de Deus”, resume bem a realidade do “Deus encarnado”, com as seguintes palavras: “O Verbo se fez carne: um bebê humano real. Ele não deixou de ser Deus; ele não era menos Deus do que antes; mas ele havia começado a ser homem. Ele não era agora Deus menos alguns elementos de sua divindade, mas Deus e mais tudo o que ele havia tornado seu ao assumir a humanidade em si mesmo. Aquele que havia feito o homem agora estava sentindo como era ser um”.

Cristo, ao nascer como um menino em uma manjedoura, também foi constituído de átomos, assim como “todas as coisas [que] foram feitas por intermédio dele[ii]. Portanto, Jesus também tinha um cérebro feito de átomos, assim como nós. Contudo, ao contrário de nós, que temos uma “humanaMENTE“, Jesus Cristo – sendo também perfeitamente Deus – tem uma “divinaMENTE“.

Graças a Deus por Jesus Cristo!

 

Leia mais artigo do Dr. Marcelo Zaldini Mota na coluna Fé e Ciência – clique aqui.

Conheça os livros da Editora Fiel sobre Fé e Ciência – clique aqui.


*Notas:

[i] A princípio, os átomos também poderiam ser subdivididos em partículas subatômicas, e esta visão reducionista poderia atingir níveis ainda mais ínfimos no âmago da matéria, a partir do que se conhece, por exemplo, no “Modelo Padrão” da física de partículas. Contudo, para os fins deste texto, iremos nos ater ao reducionismo no nível dos átomos, que geralmente é uma nomenclatura mais conhecida e melhor compreendida.

[ii] “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez” (Jo 1.1-3).


Fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2023/12/ser-humano-somos-apenas-um-monte-de-atomos/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *