A glória de Deus no esperar e no sofrer

Neste artigo de Vaneetha Rendall Risner ela nos ensina como a história de Lázaro, Marta e Maria nos mostra como as esperas e sofrimentos em Deus de nossas vidas são oportunidades dele manifestar sua glória a nós e em nós.


 

‘Senhor, se você estivesse aqui, meu irmão não teria morrido’. (Jo 11.21-32)

Para mim, esta passagem de João 11 é uma das mais pungentes de todos os Evangelhos. Reflete o desgosto das irmãs que tinham certeza de que Jesus salvaria seu irmão – mulheres que amaram a Jesus e se sacrificaram por ele, uma família que precisava de sua ajuda e o chamou em sua angústia. No entanto, Jesus não respondeu ao pedido urgente de seus amigos. Ele não respondeu, mas simplesmente apareceu depois que seu irmão estava morto.

Superficialmente, essa história é chocante. Não se encaixa na nossa definição de amor. Para nós, o amor resgata e corre. O amor não espera. O amor faz todo o possível para manter o amado longe da dor. No entanto, ao compreender como Jesus amou esta família, vi a profundidade de seu amor por mim em meu próprio sofrimento.

O último suspiro de Lázaro

Dias antes de serem ditas as palavras acima, Maria e Marta enviaram uma mensagem a Jesus de que seu irmão, Lázaro, estava doente (Jo 11.3). Eles provavelmente esperavam que Jesus fosse embora imediatamente para ver seu querido amigo, ou talvez até mesmo curá-lo ali mesmo com uma palavra. Eles sabiam que ele era o Cristo vindouro, o Filho de Deus, e que Deus lhe daria tudo o que ele pedisse (Jo 11.22-27). Eles testemunharam Jesus curar inúmeros estranhos, respondendo sem demora aos seus pedidos de ajuda. Certamente ele apareceria para seus amigos.

No entanto, Jesus não respondeu à necessidade urgente deles, optando por ficar onde estava por dois dias inteiros (Jo 11.6). Ele disse aos discípulos que a doença de Lázaro era para a glória de Deus, que ele mesmo seria glorificado por ela e que outros acreditariam por causa dela (Jo 11.4, 14–15). Ao mesmo tempo, Jesus sabia que sua demora intencional confundiria seus amigos.

Imagino as irmãs esperando na janela onde Lázaro estava morrendo, se esforçando para ver se Jesus estava chegando. Eu os imagino assegurando um ao outro que Jesus certamente chegaria a tempo de curar Lázaro. Eu me pergunto o que cada um estava pensando quando Lázaro deu seu último suspiro. Eles ficaram desapontados e desiludidos com Jesus, questionando até mesmo seu relacionamento com ele? Eles se perguntaram se Jesus se importava? Eles duvidaram se Jesus era o Salvador que eles esperavam que ele fosse?

Qualquer que fosse o tumulto interno que estivessem sentindo, as irmãs tinham que continuar. Precisavam enterrar Lázaro e preparar sua casa, que seria inundada de gente que viria consolá-los. Alguns podem ter perguntado por que Jesus não salvou Lázaro, talvez refletindo a pergunta feita mais tarde pelos espectadores: “Aquele que abriu os olhos ao cego não poderia também impedir que este morresse?” (Jo 11.37).

Jesus com as irmãs

No meio do luto deles, Jesus chegou. As irmãs o encontraram separadamente e proferiram as mesmas palavras melancólicas: “Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido” (Jo 11.21-32). Embora tivessem perdido a esperança de ver seu irmão novamente, nenhuma delas fugiu de Jesus em seu desespero, nem permaneceu distante para se proteger, ou fingiu que sua inação não as havia prejudicado. Em vez disso, elas foram até Jesus, contando-lhe diretamente como se sentiam.

Jesus respondeu de maneira diferente a cada irmã, sabendo o que cada uma precisava. Marta precisava da verdade; ela precisava entender e reafirmar sua crença em Jesus como o Filho de Deus. Jesus disse a ela que ele era a ressurreição e a vida, e que todo aquele que nele cresse jamais morreria (Jo 11.25–26). E mais tarde, ele assegurou-lhe que se ela acreditasse, ela veria a glória de Deus (Jo 11.40). Maria, por outro lado, precisava de lágrimas e consolo, e chorou aos pés de Jesus assim que o viu (Jo 11.32). Jesus chorou com ela (Jo 11.35).

Então, é claro, Jesus disse a eles para remover a pedra e ordenou a Lázaro que saísse. E Lázaro saiu da sepultura (Jo 11.38–44)!

Este milagre tem camadas de propósito e significado. A ressurreição de Lázaro por Jesus fez com que as pessoas acreditassem nele (Jo 11.45) e estabeleceu seu poder sobre a morte. E a partir disso vemos a natureza do amor ao entendermos como a demora de Jesus foi a coisa mais amorosa que ele poderia fazer (Jo 11.5–6).

Seguindo Maria e Marta

Lembro-me de ler a Bíblia certa noite, quando meu mundo estava se estilhaçando. Eu estava chorando no escuro, imaginando como poderia seguir em frente. O impensável havia acontecido e eu não conseguia entender por que Deus não havia impedido. Eu tinha sido fiel. Eu amava a Jesus e sabia que ele me amava. Então, por que ele não me resgatou dos meus pesadelos?

Levantei-me, vesti meu roupão e abri minha Bíblia em João 11 . Ao reler essa história familiar, identifiquei-me com as palavras de Maria e Marta a Jesus – ‘Se Jesus tivesse aparecido antes, isso nunca teria acontecido’. Como ele não respondeu às minhas súplicas, aos meus pedidos para que resolvesse a situação, parecia que tinha me abandonado quando eu mais precisava dele. No entanto, vi que mesmo em seu desespero, as irmãs foram diretamente a Jesus, suas palavras insinuando sua pergunta não dita: Por que você não veio? Percebi que precisava ir até ele também. Contei a ele minhas frustrações e medos, minha total decepção por ele não ter aparecido para mim. Pedi-lhe que me ajudasse, que me encontrasse como encontrou com essas irmãs, para que eu também pudesse ver a glória de Deus.

Glória em minha dor

Aproximei-me de Jesus desesperada, cheio de pura emoção, apavorada com a queda livre que estava experimentando. Nada parecia estável ou familiar. E, no entanto, naquele momento, Deus se aproximou. Senti a sensação inconfundível de sua presença e amor, aliada à certeza absoluta de que tudo estava sob controle. Havia um propósito para minha dor, mesmo quando eu não conseguia entender, mesmo quando tudo que eu conseguia ver era a perda.

Havia um propósito para a minha dor, mesmo quando eu não conseguia entender, mesmo quando tudo que eu conseguia ver era a perda.

Percebi que Deus estava me dando uma visão de sua glória. Sentei-me na quietude da noite, debruçada sobre minha Bíblia, com lágrimas escorrendo pelo meu rosto. Esse vislumbre da glória de Deus era muito melhor do que uma vida sem dor. Muito melhor do que curar. Muito melhor do que qualquer prazer que eu conhecia. Esta foi uma amostra do céu, onde o êxtase em Deus ofusca tudo o mais.

Então eu entendi. Assim como o salmista questionou a justiça de Deus até entrar no templo (Sl 73.16–17), agora eu via minha situação de maneira diferente. E como o salmista, eu poderia proclamar apesar da minha decepção:

Todavia, estou sempre contigo,

tu me seguras pela minha mão direita.

Tu me guias com o teu conselho

e depois me recebes na glória.

Quem mais tenho eu no céu?

Não há outro em quem eu me compraza na terra.

Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam,

Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre. 

(Sl 73.23-26)

Estar com Deus, ter sua orientação, saber que um dia ele me receberá na glória era tudo que eu precisava. Finalmente entendi por que deixar Lázaro morrer foi a coisa mais amorosa que Jesus poderia fazer por esta família. Ele sabia que ajudá-los a ver a glória de Deus em primeira mão era o maior presente imaginável. Isso consolidaria sua crença nele, sua certeza de que ele era realmente o Filho de Deus e sua certeza de que Jesus tinha poder sobre a morte.

O maior ato de amor de Deus

A coisa mais amorosa que Deus pode fazer é nos mostrar sua glória. Toda cura física é temporária, pois afinal morreremos (a menos que ele retorne primeiro). Mas qualquer coisa que nos ajude a ver e experimentar a glória de Deus durará por toda a eternidade. Isso nos mudará. Isso nos ajudará a valorizar Cristo e nos dará alegria duradoura. Crer em Cristo, ver a glória de Deus, é uma dádiva. Nem todo mundo vê. Aqueles que o experimentaram verão sua vida e seu sofrimento com novos olhos, à luz do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo (2 Co 4.6).

A coisa mais amorosa que Deus pode fazer é nos mostrar sua glória.

A partir dessa história, vemos que o amor de Deus não nos protege do sofrimento. A dor de Maria, Marta e Lázaro, pessoas que Jesus amava muito, foi real e intensa. Eles tiveram que esperar no escuro, perguntando-se por que Jesus não havia aparecido. Ele se importava com a dor deles, chorando com eles ao ver sua dor, o tempo todo certo de que sua dor se transformaria em alegria. Nossa dor também se transformará em alegria – na terra, quando vemos e nos satisfazemos em Deus, e finalmente no céu, quando o veremos face a face.

A coisa mais amorosa que Deus pode fazer é aumentar nossa fé nele, mostrar-nos sua glória, ajudar-nos a encontrar nossa satisfação nele. Verdadeiramente, se crermos, veremos a glória de Deus.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *