A fé e a preservação da natureza

1. Início

A religião sempre esteve ligada a história da sociedade. O ser humano
sempre cultuou e teve suas crenças e credos, por isso, ao falarmos de
sociedade e meio ambiente, precisamos também falar da religião e o seu
papel na história.

O principal objetivo deste artigo é falar da tradição cristã mostrando como
cuidar do meio ambiente foi e ainda é uma ênfase da igreja. Serão usados pensadores
importantes que abordam o assunto e comentadores especializados no tema
meio ambiente e religião.

A espiritualidade verdadeira sempre vai olhar para o ser humano como um
todo, seja no âmbito pessoal, sentimental e ético, pois como somos e como agimos,
influenciam o ambiente no qual vivemos, resultando tanto em impactos positivos,
quanto negativos. E preservar o meio ambiente é a atitude de alguém que
não só tem ética, mas entende todos os pontos fundamentais da sua própria fé.

2. O meio ambiente segundo a bíblia e a tradição cristã

A tradição judaico-cristã através do seu principal livro a Bíblia, explica que no
início, quem criou tudo foi Deus. Foi ele o grande arquiteto do universo, mas não
é só isso. O texto também diz que o homem teria domínio sobre tudo (Gênesis
1:26), ele era o encarregado de cuidar e guardar o jardim do Éden (Gênesis 2:15).

Segundo a Bíblia, o homem é responsável pela criação, sendo que o domínio
no qual a Bíblia se refere, não tem um sentido negativo e sim positivo, é muito
mais no sentido de cuidado do que uma dominação cruel. D. A. Carson et al,
explica o termo:

Domínio deixa implícito o senhorio, mas não a exploração. O homem, como
representante de Deus, deve, tal qual Deus, dominar seus súditos para o bem
deles próprios. Ao mesmo tempo em que legitima o uso dos recursos do mundo
pelos seres humanos, Deus não dá nenhuma autorização para abusarmos de sua
criação (2012, p. 102).

Dominar não é explorar e muito menos consumir, e sim, cuidar, reger, sendo
um representante de Deus em sua criação. Mas a Bíblia ainda oferece muito mais
provas para a questão, mostrando que cuidar do meio ambiente é uma das principais
ênfases da sua tradição religiosa. O Velho Testamento, por exemplo, ensina
os hebreus a separar um tempo para deixar a terra descansar (Êxodo 23:10-11),
assim ela continuará a ser frutífera. E no Novo Testamento, o texto bíblico diz
que é possível conhecer a Deus através das coisas que ele criou, a natureza e a criação
revelam justamente isso (Romanos 1:19-20), em um fenômeno que a teologia
cristã denomina de revelação natural. Que é a ideia de que Deus se revela não
só em Cristo e nas escrituras, mas também em sua criação, através da natureza e
também da história (CARSON et al, 2012, p. 1688). Norman Geisler acrescenta
um ponto importante a este assunto:

Dentre todos os grandes sistemas religiosos e filosóficos, nenhum dá maior dignidade
à criação material do que a tradição judaico-cristã. Os dois Testamentos
das Escrituras ensinam que o universo físico é bom e que o mesmo reflete a
glória do seu criador (Sl 19.1; 1Tm 4.4) (2015, p. 382).

Estas são apenas algumas provas que a Bíblia traz, mostrando que meio ambiente
e a religião se fundem. Cuidar do que Deus criou é a missão que o Criador
dá ao homem, desde o dia que ele foi criado.

3. A igreja e o cuidado com a natureza

Mesmo com toda a tradição cristã e vários pensadores enfatizando que Deus é o
criador de tudo, o cuidado com a natureza não foi uma das ênfases da igreja cristã
durante muito tempo. Norman Geisler em seu livro “Ética Cristã”, acrescenta que
o ambientalismo, como prática entre os cristãos é recente. Apesar da Bíblia falar
da criação, e dar ênfase na importância de cuidar e administrar o que Deus criou,
este costume não tem sido tão efetivo ao longo da história da igreja. Contudo,
hoje, movimentos evangélicos em prol da ética ambiental têm crescido dentro do
cristianismo (2015, p. 373). Alister Mcgrath acrescenta um resumo fundamental
sobre a fé cristã afirmando que:

A teologia cristã tem uma amplitude conceitual que lhe permite acomodar as ciências
naturais, a arte, a moralidade e outras tradições religiosas. O cristianismo
tem a capacidade de atribuir sentido ao mundo, reforçando a defesa intelectual
quanto a existência de Deus ao mesmo tempo que oferece uma forma de “ver a
natureza” que nos capacita a apreciá-la e respeitá-la de maneiras que, do contrário,
não seriam possíveis (2015, p. 82).

Mesmo que a religião cristã tenha a sua ênfase na salvação do ser humano
pecador, é importante enfatizar que ele também possui em sua teologia, ensinos
e ferramentas a favor do meio ambiente, da ética e da manutenção das coisas que
Deus criou. É preciso apenas que os cristãos relembrem os ensinos teológicos e
se posicionem a favor da conservação da vida, da justiça e do meio ambiente. É
preciso buscar uma ética que olhe o todo e que atenda o ser humano e a sociedade
em todos os sentidos.

Leonardo Boff no livro Ética e espiritualidade, aponta justamente para as
religiões como fonte de ética. Os valores e comportamentos que elas incentivam,
servem para dar significado e propósito para as pessoas. Mas para que ela possa
ser eficaz, é preciso primeiro haver um diálogo entre as religiões, enfatizando os
pontos que elas têm em comum, para que a paz seja instaurada e um propósito
maior possa surgir como fruto deste diálogo (2017, p. 55).

Nesta mesma obra, Boff discorre sobre o antropocentrismo do ser humano
como uma das consequências da crise ambiental. Ele enfatiza que é quando o ser
humano coloca o foco só em si, deixando assim de ouvir o pedido de socorro da
natureza ou mesmo a Bíblia, que os problemas começam a surgir, frutos da ganância
e do egoísmo (2017, p. 55).

Apesar da igreja estar dando os seus primeiros passos apenas agora, ela tem
avançado nesta questão, entendendo que a Bíblia aponta para o ser humano como
responsável em guardar e cuidar o que Deus criou.

4. Considerações finais:

Mais do que apenas falar que cremos em algo, precisamos viver uma vida que a
nossa crença seja igual a nossa ação no mundo. Precisamos acreditar e viver conforme
cremos. Ao entender a vida como oriunda de um criador, um arquiteto da
criação, o sentimento de responsabilidade deve se fazer presente.
Se um cristão afirma que ama a Deus e acredita que tudo o que existe é fruto
do poder deste Deus, respeitar a criação e preservar o que este arquiteto divino
criou, deve ser um de seus pontos de partida, terminando por existir uma coerência
da crença professada com a sua ação no mundo.

______________________

Allen, Diogenes; Springsted, Eric. Filosofia para entender teologia (Paulus/Academia Cristã: São Paulo, 2017).
Boff, Leonardo. Ética e espiritualidade: Como cuidar da casa comum (Vozes: Petrópolis, 2017).
Geisler, Norman.Teologia Sistemática (CPAD: Rio de Janeiro, 2015.
____________. Ética cristã: Opções e questões contemporâneas (Vida Nova: São Paulo, 2015).
Macgrath, Alister. Surpreendido pelo sentido (Hagnos: São Paulo, 2015.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *