Como fazer com que jovens e adolescentes se aprofundem na Palavra de Deus?

Hoje temos uma pergunta ministerial maravilhosa sobre pregação, Pastor John. Um jovem pastor pergunta o seguinte: “Olá, Pastor John, minha pergunta é sobre a pregação expositiva e seu lugar no ministério estudantil.

“Sou o pastor responsável pelo ministério de adolescentes na minha igreja. Sempre que nos reunimos para o culto dos jovens nas noites de quarta-feira, normalmente prego através dos livros da Bíblia de forma expositiva. Tento o meu melhor para aplicar o texto a eles de uma forma que eles possam entender. No entanto, às vezes questiono se devo pregar sermões expositivos aos estudantes porque não acredito que seja uma prática comum no ministério de jovens. Eu amo a palavra de Deus e quero que meus alunos passem a amar a palavra de Deus, mas devo ensiná-los de uma forma mais focada na aplicação? Eu apreciaria sua opinião sobre isso. Obrigado.”

 

Bem, tenho pensamentos intermináveis sobre a pregação. Eu adoro pregar. Acredito que Deus designou a pregação para fazer parte da adoração de sua igreja, especialmente no Dia do Senhor, e eu penso que deveria ser baseado e saturado com as Escrituras. Isso é o que é pregar. É um decreto ordenado por Deus e uma maneira de salvar pecadores e fazer crescer espiritualmente. Acho que é relevante para idosos, pessoas de meia-idade, jovens e crianças.

Estou feliz que nosso jovem amigo pastor esteja liderando um grupo de jovens e fazendo exposições bíblicas a eles. Aqui estão os três pensamentos que posso incluir em nossos poucos minutos juntos.

Lidar com o fator realidade

Primeiro, ao explicar o significado de textos bíblicos, certifique-se de enfatizar o que chamo de “fator de realidade”. Agora, você não precisa usar essa frase. Essa é apenas a minha frase, mas aqui está o que quero dizer.

Há alguns anos, percebi que é possível explicar muito sobre como o pensamento do texto realmente flui, como as palavras e orações se relacionam entre si, sem realmente lidar com a realidade do que as palavras estão tentando comunicar. Fiquei surpreso por podermos fazer isso. Podemos ficar na superfície da gramática e não chegar à realidade.

“A pregação é uma maneira ordenada por Deus de salvar pecadores e sustentar e desenvolver santos.”

Por exemplo, em Filipenses 2:12-13 diz:

Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor;  porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”

Agora, suponha que em sua exposição você mostre aos alunos como a primeira cláusula é um comando imperativo: “desenvolvei a vossa salvação”. Então você explica como a segunda cláusula não é uma ordem, mas uma declaração de um fato: “porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar”.

Finalmente, você chama a atenção para a conexão entre essas duas cláusulas com a palavra porque, apontando que a segunda cláusula, a afirmação “é Deus quem trabalha”, é a base ou o motivo (que é o que significa) para a primeira cláusula, a ordem de “operar a salvação”. Talvez você diga: “Isso é típico do Novo Testamento, que os indicativos fundamentam os imperativos”. Então você para – fim da exposição.

Bem, o problema de pararmos aí é que nem sequer tocamos na realidade por detrás das frases e na sua ligação lógica até respondermos à pergunta: Como é que isto funciona na vida? Por que funciona para mim realizar a minha salvação porque Deus está operando em mim?

A exposição real expõe a realidade

Há uma grande diferença entre palavras e frases, por um lado, e as realidades que elas revelam. Aqui você pode ver quão artificial é a separação entre exposição e aplicação. Isto simplesmente surpreende as pessoas quando eu aponto isso, então deixe-me dizer isso novamente. Quão artificial é distinguir entre exposição e aplicação! Porque não estamos realmente expondo a realidade por trás das palavras até que estejamos lidando com a vida real e explicando como ela funciona.

A questão é: às dez horas desta noite, depois que esses alunos estiverem em casa, depois de ouvirem esta exposição, e agora estiverem em seus quartos com seus computadores ou com suas famílias na sala – como será para esses alunos o desenvolver da salvação deles? Como é essa realidade? Qual será a sensação para eles de experimentar a realidade de Deus trabalhando neles? Eles têm alguma noção do que esse versículo está falando? Qual é a realidade? Como é? Como funciona? Como eles vão fazer a conexão entre essas experiências de Deus trabalhando neles e eles se desenvolvendo?

Nós realmente não sabemos o que este texto significa até que possamos explicar não apenas as palavras, orações, lógica e gramática, mas as realidades que surgem mais tarde esta noite, às dez horas no quarto, na cozinha – em outros lugares. Em outras palavras, como o texto se aplica à vida real.

Sem tarefas pequenas

Isso exige um enorme esforço por parte do pregador porque ele agora trabalha em dois níveis. Existe o nível das palavras, da gramática e da lógica – chamamos isso de texto – e o esforço para explicar como as partes do texto se encaixam. No outro nível, perguntamos: Que realidades este autor, com estas palavras, esta gramática e esta lógica, está tentando comunicar à minha mente, ao meu coração e às minhas mãos?

A linguagem e a realidade, os dois níveis, são absolutamente cruciais. Você não pode fazer um atalho em torno da gramática, em torno da lógica, em torno das palavras, mas se você parar por aí, você não fez o tipo de exposição que precisa ser feita.

É um verdadeiro trabalho mental e um verdadeiro trabalho de coração, mas a recompensa para os adolescentes será enorme. Então, essa é minha primeira sugestão – lidar com o fator realidade tanto quanto com o fator texto. Seus adolescentes vão adorar porque vai tocar suas vidas, sua realidade.

Faça passeios de profundidade doutrinária

Segundo, em sua exposição através de textos, faça passeios de profundidade doutrinária – não desvios doutrinários, mas passeios de profundidade doutrinária. Agora, acabei de inventar isso.

Eu nunca disse isso antes. Este é um termo novo, que pensei para este pastor.

Vou explicar o que quero dizer. Passeios profundos são como desvios, mas são passeios profundos porque você não está se afastando de onde deveria ir. Um desvio é isso: você vai embora e deseja não ter que ir. Mas um passeio profundo? Você quer seguir esse caminho porque isso construirá pessoas doutrinariamente fortes.

Sem passeios aprofundados, simplesmente não sei como você pode construir grupos de jovens doutrinariamente fortes, pessoas doutrinariamente fortes. O que quero dizer com isso são pessoas, grupos de jovens, que têm uma compreensão clara e profundamente enraizada de doutrinas bíblicas realmente importantes.

Estradas a seguir

Agora, você não pode fazer tudo como pastor de jovens. Você está trabalhando em conjunto com outros grupos, cultos de adoração, sermões e aulas em sua igreja, talvez até em casa ou na escola.

O que quero dizer é fazer um passeio profundo em doutrinas como a soberania de Deus, a santidade de Deus, a graça de Deus, a justiça de Deus, a divindade e humanidade de Cristo, a divindade e personalidade do Espírito Santo, a natureza do pecado tanto como ação quanto como doença do coração, a natureza da redenção e propiciação e regeneração, chamado, fé, justificação, santificação, andar pelo Espírito, perseverança dos santos, a natureza da igreja. O que acontece quando você morre? A segunda vinda, a vida eterna, os novos céus e a nova terra.

Se um jovem estuda os textos das Escrituras sem nunca fazer um passeio doutrinário aprofundado, ele é como uma pessoa que alinha todas as peças de um quebra-cabeça, mas nunca as junta para ver a beleza da imagem que elas formam. Na verdade, você pode ficar muito orgulhoso de alinhar essas peças. Você pode dizer: “Olha, minhas peças estão todas alinhadas!”

Por exemplo, alguém pode recitar de cor todo o primeiro capítulo de Efésios e nunca ter parado para estudar a doutrina da eleição. É a totalidade do quadro geral que revela uma pessoa, não é? É a imagem que toma conta de um jovem de dezesseis anos e o mantém por sessenta anos, mantendo-o por toda a vida — quem é Deus, o que ele está fazendo? Como Cristo salvou os pecadores? Como funciona a vida cristã? Para onde tudo isso está levando?

Vários métodos

Agora, existem diferentes maneiras de fazer isso. Você pode fazer uma série expositiva de mensagens através de textos, e depois pode fazer uma série doutrinária separadamente. Você poderia dizer: “Vamos estudar cinco semanas sobre eleição e predestinação, e faremos cinco semanas sobre o pecado e o que ele é, sobre que tipo de doença vocês têm em seus corações” – e assim por diante.

Não me oponho de forma alguma a mensagens temáticas como essas 

porque são todas expositivas – ou seja, se vou explicar alguma coisa, será uma exposição das Escrituras. É daí que vêm minhas explicações.

Ou você pode fazer esses passeios doutrinários que estou sugerindo durante a exposição. Quinze minutos, digamos, de sua mensagem de trinta minutos podem ser dedicados a pintar a grande realidade doutrinária por trás de uma palavra em seu texto, como justificação. 

Não é um ou outro. Você pode misturar de várias maneiras.

Acredito que os estudantes apreciam compreender como a realidade se encaixa de fato, de maneira concreta, e têm interesse em entender como os textos realmente operam. Uma combinação de exposição de textos, onde eles mergulham na gramática, e esforços para aprimorar seu conhecimento acadêmico – ambos são elementos fundamentais.

Faça perguntas reflexivas provocativas

A última coisa que eu diria é isso. Se seus adolescentes ouvirem uma boa pregação no domingo de manhã, eu provavelmente não transformaria o ensino de quarta-feira à noite em outro sermão. Eu criaria um método de ensino mais interativo.

Agora, você conhece a sua situação melhor do que eu, mas isso é o que eu faria se fosse o pastor de jovens e tivesse um bom pastor que estivesse pregando de verdade no domingo. Eu provavelmente não tentaria fazer a mesma coisa na quarta-feira, mas treinaria esses adolescentes a como olhar para o texto, como olhar para as Escrituras e como fazer perguntas realmente boas para reflexão, porque as perguntas são a chave para o entendimento.

Muitas vezes, as pessoas me ouvem dizer “participativo” ou “interativo” e pensam: “Ah, já participei desse tipo de grupo. Todo mundo compartilha sua ignorância.” Não é isso que quero dizer – eu ensino assim geralmente. Eu permaneço no controle. Estou fazendo as perguntas, certo? Se os adolescentes fizerem perguntas estúpidas, você os guiará com delicadeza e sabedoria para boas perguntas. Você não permite que todos compartilhem sua ignorância. Você sabe aonde quer levá-los e os leva até lá treinando-os para chegarem lá sozinhos.

Você está modelando como fazer perguntas realmente boas sobre o que você vê no texto e fazendo com que eles olhem, pensem e falem – e então os corrige para que eles fiquem cada vez melhores na leitura de suas Bíblias. É possível fazer exposições e ensinamentos doutrinários muito sérios desta forma. Você pode fazer isso.

A chave é fazer perguntas realmente boas, perguntas provocativas. Já estive em tantos grupos onde o líder diz: “Quem disse isso?” Os alunos olham uns para os outros e dizem: “Essa é a pergunta mais boba, o próprio texto diz que Pedro disse isso. Por que ele está me perguntando isso? Essa é uma pergunta tão simples.” Este não é o tipo de pergunta que deixa alguém entusiasmado com alguma coisa. Têm de ser perguntas que estimulem o pensamento, perguntas desafiadoras, que realmente resultem em compreensão textual e experiência de vida real.

Então, essas são minhas três sugestões para lidar com a Palavra com o seu grupo de jovens. Lide com o fator realidade, faça passeios doutrinários aprofundados e faça perguntas provocativas. E, é claro, mergulhe tudo em oração sincera, porque se Deus não se manifestar, então tudo será em vão.

 


Conheça os livros de John Piper pela Editora Fiel – clique aqui.

Veja mais episódios do John Piper Responde – clique aqui!


Fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2024/02/como-fazer-com-que-jovens-e-adolescentes-se-aprofundem-na-palavra-de-deus/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *