Como viver a vida cristã?

“Pastor John, preciso de ajuda. Li em 1 Pedro 4.10 o seguinte: ‘Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!’ 

 

Luto pela fé, amor e santidade e quero glorificar a Deus. Não quero que meu trabalho seja em vão. Então, minha pergunta é esta: O que significa “servir na força que Deus supre?” Como faço isso? Como devo trabalhar de um jeito que a força de Deus seja percebida em mim?”

 

Acho que essa é a pergunta mais fundamental que você pode fazer sobre como viver a vida distintamente cristã. Como você vive para que não seja você quem vive, mas Cristo que vive em você? Como você se esforça e toma decisões de tal maneira que não está confiando em seus esforços e resoluções, mas na obra sobrenatural do Espírito de Deus em você?

O texto no qual Jacob está se concentrando – um dos meus favoritos para o ministério – é 1 Pedro 4.11, que diz: “se alguém serve, faça-o na força que Deus supre,”. Portanto, há o comando e Jacob está apenas dizendo: “Por favor, ajude. Como você faz isso?” Que mistério, que milagre é isso. Servimos, mas servimos pela força fornecida por outro. “Como?” Jacob pergunta.

 

Em toda a Escritura

Claro, este não é o único texto que nos pressiona com esta enorme questão. Há também Romanos 8.13: “se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo.” Portanto, devemos matar o pecado, mas devemos fazê-lo pelo Espírito. Como?

Filipenses 2.12–13: Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.. Portanto, devemos trabalhar, mas a vontade e a obra são a vontade e a obra de Deus. Como? Como experimentamos isso?

E 1 Coríntios 15.10 diz: “antes, trabalhei mais do que todos eles; contudo, não eu, mas a graça de Deus comigo.” Então Paulo trabalhou duro, mas seu esforço de alguma forma não era dele. Como você faz isso?

E então há Colossenses 1.29, onde Paulo diz: “para isso é que eu também me afadigo, esforçando-me o mais possível, segundo a sua eficácia que opera eficientemente em mim.”. Nós lutamos, gastamos esforço e energia – mas há uma maneira de fazer isso de forma que seja a energia de Deus, a obra de Deus. Como?

AOCAD

Então é isso. É um problema generalizado. É fundamental. Está bem no centro do que significa ser um cristão. Eu gostaria que todos estivessem fazendo essa pergunta. Em 1984, J.I. Packer, que agora está com o Senhor, publicou seu livro Caminhando no Poder do Espírito. Eu realmente gostei disso. Lembro-me de ter lido no ano em que foi lançado. Nele, na página 125, ele dá sua resposta a essa pergunta. Vou ler a citação dele, apenas um parágrafo.

 

“Primeiro, como alguém que quer fazer todo o bem que puder, observe quais tarefas, oportunidades e responsabilidades você enfrenta. Em segundo lugar, você ora pedindo ajuda, reconhecendo que sem Cristo você não pode fazer nada – nada frutífero, isto é (João 15.5). Em terceiro lugar, você vai trabalhar com boa vontade e coração elevado, esperando ser ajudado conforme pediu. Quarto, você agradece a Deus pela ajuda dada, pede perdão por suas próprias falhas no caminho e pede mais ajuda para a próxima tarefa.”

 

Eu tinha 38 anos quando li isso. Eu era pastor há quatro anos, e o que me emocionou em sua resposta à pergunta – “Como você faz isso, Packer? Diga-nos, como você vive esta vida na força de outro? — é que ele expôs exatamente o que eu havia pregado no ano anterior, em 13 de março de 1983. Eu o chamei de AOCAD, um acrônimo:

 

A: Admita que não pode fazer nada.

O: Ore por ajuda sobrenatural.

C: Confie em uma promessa específica sobre sua situação.

A: Aja; use sua vontade; se mova.

D: De graças a Deus.

 

Fiquei impressionado porque, um ano depois de escrever o AOCAD, encontrei em meu teólogo favorito quase uma duplicata do que eu estava pensando. Eu pensei: “Não sou nada peculiar aqui. Não é apenas um pensamento antiquado. Ele chama isso de “santificação agostiniana”, ou algo assim.

Como os cristãos negligenciam a confiança

Mas a diferença entre meu AOCAD e o parágrafo de Packer é esta: ele mal menciona meu C do meio, para confiar em uma promessa específica sobre a situação em que você está. Você pode ouvir que ele quer dizer e acredita nisso – é claro que ele acredita. Você pode ouvi-lo em seu terceiro ponto, mas está quase perdido. Ele diz assim: “Terceiro, você vai trabalhar com boa vontade e coração elevado”, e então ele diz: “esperando ser ajudado”. eu digo sim Sim, exatamente — isso é fé: esperar ser ajudado de acordo com o seu pedido de ajuda.

Mas acho que ainda há uma diferença porque é uma questão de ênfase. Eu acho que esse C – Admitir, Orar, Confiar, Agir, Dar graças – é tão crucial. Escrevi um livro inteiro sobre isso chamado Graça Futura. É um livro de quatrocentas páginas sobre Confiar. Precisamos de um livro para cada uma dessas letras, mas para mim foi tão grande para não ficar mudo em outros pontos que explodiu em Graça Futura. Então aquele livro era realmente sobre confiar em uma promessa específica quando você está enfrentando uma situação que lhe causa incerteza, ansiedade ou medo.

E acho que esse passo de C — confiança em uma promessa específica — está faltando na maioria das tentativas dos cristãos de viver a vida cristã. É certamente o meu erro mais comum. A maioria de nós enfrenta uma tarefa difícil que nos deixa ansiosos e nos lembramos de dizer: “Ajude-me. Socorro, Deus. Eu preciso de ti.” Assim, expressamos mais ou menos reflexivamente os dois primeiros passos, A (admitir desamparo) e O (orar pedindo ajuda). Mas então passamos direto de admitir e orar, para agir. Oramos e depois agimos.

Mas isso nos rouba um passo muito poderoso em andar pelo Espírito, andando na força que Deus fornece.

Andando pela Fé Focada

Depois de orarmos pela ajuda de Deus, precisamos de C – confiança. Devemos nos lembrar de uma promessa específica que Deus fez, fixar nossa mente nela e colocar nossa fé nela. Eu gostaria de ter feito isso de forma absolutamente consistente porque é tão precioso quando você faz isso de forma consistente. Quantas vezes eu disse: “Acredito em ti – eu tenho uma promessa sua para mim”? Como a promessa de “eu vou te ajudar, John Piper”.

 

Devemos nos lembrar de uma promessa específica que Deus fez, fixar nossa mente nela e colocar nossa fé nela.

 

Para a promessa de ajuda, especificamente a de Isaías 41:10: “eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.”. E eu digo: “Eu acredito em ti. Eu acredito em ti. Agora mesmo, estou subindo neste púlpito. Eu acredito em ti, entrando no palco. Eu acredito em ti, entrando nessa conversa difícil que vou ter aqui. Eu acredito no Senhor agora. Esta promessa é verdadeira. A ajuda está a caminho. Aumente minha fé. Estou confiando em ti, Senhor. Aqui vou eu.” E então você age.

Agora, Paulo diz em 2 Coríntios 5.7 que “visto que andamos por fé”, e ele diz em Gálatas 2.20 que “vivo pela fé no Filho de Deus”. Mas para a maioria de nós, isso permanece vago. Eu ando durante o dia como: “Sim, acho que sou um crente”. Claro, sou um crente enquanto ando ao longo do dia, mas estou acreditando em algo específico sobre Deus, algo específico sobre o que ele fará na próxima meia hora com o qual estou lutando?

Hora a hora, precisamos fazer isso. Fazemos isso lembrando-nos de promessas específicas e concretas que Deus fez e Jesus comprou com seu sangue. Como 2 Coríntios 1.20 diz: “Porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele o sim”. Confiamos conscientemente nas promessas que temos e agimos de acordo com elas.

Promessas na mão

Então, aqui está minha sugestão para nosso ouvinte de como colocar isso em prática. Leia a Bíblia todos os dias, sempre atento às promessas específicas que Deus pode querer lhe dar para aquele dia, mas não se apoie apenas na leitura da Bíblia para o dia. Memorize algumas promessas que são tão universalmente aplicáveis a todas as situações que servirão a você quando enfrentar uma tarefa a ser realizada com a força que Deus fornece. Então, quando essas tarefas chegarem, passe pelo AOCAD:

 

  • Admita que você não pode fazer isso sozinho – não de forma frutífera, não com qualquer significado eterno.
  • Ore pela ajuda que você precisa. Lembre-se de uma de suas promessas memorizadas.
  • Confie nelas. Coloque sua fé nisso.
  • Aja, acreditando que Deus está agindo em você e através de você de acordo com a sua promessa.
  • Dê graças a Deus.

 

Leia a Bíblia todos os dias, sempre atento às promessas específicas que Deus pode querer lhe dar para aquele dia.

 

Aqui estão algumas das minhas promessas diárias. Suponho que o mais comum nos últimos cinquenta anos seja Isaías 41.10. Neste versículo eu ouço Deus falando. Ouço Jesus dizer: “Comprei esta promessa para você: “não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço,” na próxima meia hora – “e te ajudo,” – na próxima hora – ; “e te sustento com a minha destra fiel.”– no dia seguinte – Você acredita em mim, John Piper? Você acredita em mim?”

Oh, que diferença faz quando você tem uma palavra concreta de Deus, das Escrituras, e acredita nela ao entrar em uma situação difícil e difícil. Outra promessa na qual me apoio é Filipenses 4.19: “O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus.”. Cada necessidade. Sem dúvida. O que você precisa, você terá. Vá em frente!

Ou Hebreus 13:5–6: Nunca o deixarei, nunca o abandonarei”. “Podemos, pois, dizer com confiança: “O Senhor é o meu ajudador, não temerei. O que me podem fazer os homens. O homem não pode fazer nada comigo, exceto o que Deus ao meu lado onipotentemente permite que ele faça porque me ama.

E a base fundamental para cada uma dessas promessas que escrevi é Romanos 8.32, que diz: Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou,” – esse é o fundamento de absolutamente tudo, que Cristo morreu por mim – ,  porventura, não nos dará graciosamente – isso inclui você, John Piper –  com ele todas as coisas?Que grande promessa para entrar em todas as situações.

Portanto, nunca deixe de ponderar as palavras de Paulo em Gálatas 2.20: logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; ”. Existe aquela mudança – não mais eu, mas Cristo. E então ele explica: e esse viver que, – sim, você vive uma vida – “agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.. Portanto, não eu, mas eu pela fé. E estou simplesmente dizendo, torne-o específico colocando sua fé em uma promessa particular e preciosa.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *