A fraqueza pode ser sua maior força

Quão bem você está investindo as fraquezas que recebeu?

Talvez ninguém nunca tenha lhe feito essa pergunta antes. Talvez soe sem sentido. Afinal, as pessoas investem ativos para aumentar seu valor. Elas não investem passivos. Elas tentam eliminar, minimizar ou até encobrir as responsabilidades. É fácil para nós ver nossos pontos fortes como ativos. No entanto, a maioria de nós naturalmente considera nossas fraquezas como responsabilidades — deficiências para minimizar ou encobrir.

Mas Deus, em sua providência, nos dá nossas fraquezas assim como nos dá nossas forças. Na economia de Deus, na qual o retorno do investimento que ele mais valoriza é “a fé que opera pelo amor” (Gl 5.6), as fraquezas se tornam ativos — podemos até chamá-los de talentos — para serem administrados, para serem investidos. Pode até ser que o bem mais valioso que Deus lhe deu para ser mordomo não seja uma força, mas uma fraqueza.

Mas se quisermos valorizar as fraquezas como ativos, precisamos ver claramente onde as Escrituras ensinam isso. O apóstolo Paulo nos fornece a teologia mais clara do valor inestimável da fraqueza. Descobri que 1 Coríntios 1.18–2.16 e, francamente, todo o livro de 2 Coríntios, são imensamente úteis para entender o papel indispensável que a fraqueza desempenha no fortalecimento da fé e do testemunho individual de cristãos e da igreja como um todo.

O poder paradoxal da fraqueza

A declaração mais famosa de Paulo sobre o paradoxal poder espiritual da fraqueza aparece em 2 Coríntios 12. Ele nos fala de sua experiência extática de ser “arrebatado ao paraíso”, onde recebeu revelações impressionantes e inefáveis (2Co 12.1-4). Mas como resultado,

“[…] foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2Co 12.7-10).

Nestas poucas frases, Paulo reformula completamente a maneira como os cristãos devem ver as fraquezas, mesmo as profundamente dolorosas que podem parecer atrapalhar nosso chamado e que os poderes das trevas procuram explorar. O que a princípio nos parece um passivo caro acaba sendo um bem valioso, dado por Deus.

Fraqueza e pecado

Antes de prosseguirmos, precisamos deixar claro que Paulo não inclui, aqui, em sua descrição de fraqueza, o pecado. A palavra grega que Paulo usa é astheneia, a palavra mais comum para “fraqueza” no Novo Testamento. J.I. Packer, em seu útil estudo sobre 2 Coríntios, Weakness Is the Way, (A fraqueza é o caminho) explica a astheneia assim:

A ideia, do início ao fim, é de inadequação. Falamos sobre fraqueza física [incluindo doença e deficiência] […] fraqueza intelectual, […] fraqueza pessoal, […] uma posição fraca

quando uma pessoa carece de recursos necessários e não pode levar as situações adiante ou influenciar os eventos como desejado, […] fraqueza relacional quando as pessoas que deveriam liderar e orientar falham em fazê-lo — pais fracos, pastores fracos e assim por diante. (p. 13-14)

Mas quando Paulo fala de pecado, ele tem mais do que inadequação em mente. A palavra grega para “pecado” que ele normalmente usa é hamartia, que se refere a algo que incorre em culpa diante de Deus. Hamartia acontece quando pensamos, agimos ou sentimos de formas que transgridem o que Deus proíbe.

Embora Paulo estivesse ciente de que hamartia poderia levar a astheneia (1Co 11.27-30) e astheneia poderia levar a hamartia (Mt 26.41), ele claramente não acreditava que “fraqueza” fosse sinônimo de “pecado”. Pois ele repreendeu aqueles que se gabavam de que seus pecados mostravam o poder e a imensidão da graça de Deus (Rm 6.1-2). Mas ele “de bom grado” se gloriava em suas fraquezas porque elas mostravam o poder e a imensidão da graça de Deus (2Co 12.9).

No pecado, nos voltamos de Deus para os ídolos, que profanam Deus, destroem a fé e obscurecem Deus aos olhos dos outros. Mas a fraqueza tende a aumentar nossa dependência consciente de Deus, que o glorifica, fortalece nossa fé e manifesta seu poder de maneiras que nossas forças nunca fazem.

E esse é o valor surpreendente de nossas fraquezas: elas manifestam o poder de Deus em nós de maneiras que nossas forças não podem manifestar. Foi isso que Jesus quis dizer quando disse a Paulo: “O poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co 12.9) — “se aperfeiçoa” significa completo ou inteiramente realizado. Nossas fraquezas são indispensáveis porque Deus manifesta a plenitude de seu poder através delas.

Ativo disfarçado de passivo

Neste ponto, você pode estar pensando: “Seja qual for o ‘espinho’ de Paulo, minha fraqueza não é assim”. Certo. Isso é o que todos nós pensamos.

Eu tenho uma fraqueza semelhante a um espinho, conhecida apenas por aqueles mais próximos a mim. Se eu a compartilhasse com você, você provavelmente se surpreenderia. Ela me persegue diariamente enquanto procuro cumprir minhas responsabilidades familiares, vocacionais e ministeriais. Ela torna quase tudo mais difícil, e regularmente me tenta à exasperação. Não é romântico, certamente não é heróico. Ela me humilha de maneira embaraçosa, não nobre. E o mais doloroso para mim: posso ver como, de certa forma, ela torna a vida mais difícil para aqueles com quem vivo e trabalho. Muitas vezes me pareceu uma responsabilidade. Implorei ao Senhor, mesmo em lágrimas, para removê-la ou conceder-me mais poder para superá-la. Mas ela ainda está aqui.

Paulo também viu inicialmente sua fraqueza como uma responsabilidade grave e implorou repetidamente para ser liberto dela. Mas, assim que ele entendeu os propósitos de Cristo nela, ele a viu sob uma luz totalmente nova: um bem inestimável disfarçado de passivo. E ele se gloriava nas profundezas do conhecimento, sabedoria e graça onipotente de Deus.

Eu tenho sido mais lento do que Paulo em aprender a ver meu espinho como um trunfo (honestamente, ainda estou aprendendo). Mas vejo pelo menos algumas das maneiras pelas quais essa fraqueza me fortaleceu. Isso me forçou a viver diariamente na fé dependente da graça de Deus. Isso aumentou minha gratidão por aqueles que Deus colocou ao meu redor e que têm pontos fortes onde sou fraco. Assolado por minha própria fraqueza, estou mais propenso a lidar com gentileza e paciência com outros que lutam com fraquezas diferentes das minhas (Hb 5.2). E, agora, posso ver como ele temperou muito do que escrevi ao longo dos anos com certas intuições que duvido que teriam vindo de outra forma. Em outras palavras, vejo maneiras pelas quais Deus manifestou seu poder mais completamente através da minha fraqueza desconcertante.

O fato de não sabermos o que era o espinho de Paulo é evidência da sabedoria de Deus. Se o fizéssemos, provavelmente compararíamos nossas fraquezas com as dele e concluiríamos que as nossas não têm esse valor espiritual. E estaríamos errados.

Administradores de talentos surpreendentes

Paulo disse que sua fraqueza, seu “espinho na carne”, foi “dado” a ele (2Co 12.7). Dado por quem? Qualquer que fosse o papel que Satanás desempenhasse, na mente de Paulo ele era secundário. Paulo recebeu essa fraqueza, bem como “injúrias, necessidades, perseguições e angústias” (2Co 12.10), como bens dados a ele por seu Senhor. E como um “[mordomo] dos mistérios de Deus” (1Co 4.1), ele considerava suas fraquezas uma parte crucial do portfólio que seu Mestre lhe havia confiado. Então, ele decidiu investi-las bem para que seu Mestre visse o máximo de retorno possível.

Se você está familiarizado com a parábola dos talentos de Jesus (Mt 25.14-30), você pode reconhecer que estou me valendo de suas figuras. Jesus deu a cada um de nós diferentes “talentos” para sermos mordomos, bens de imenso valor para o reino, “cada um de acordo com sua capacidade” (Mt 25.15). E a expectativa dele é que vamos investi-los bem enquanto esperamos o retorno dele.

Alguns desses talentos são forças e habilidades que nosso Senhor nos deu. Mas alguns deles são nossas fraquezas, nossas inadequações e limitações, que ele também nos deu. E ele nos deu essas fraquezas não apenas para aumentar em nós o tesouro inestimável e compartilhável da humildade (2Co 12.7), mas também para aumentar nossa força nos aspectos mais importantes de nosso ser: fé e amor (2Co 12.10).

Mas nossas fraquezas não nos são dadas apenas como indivíduos; eles também são dados à igreja. Nossas limitações, tanto quanto nossas habilidades, são cruciais para o desígnio de Cristo de equipar seu corpo para que funcione corretamente e “se edifique em amor” (Ef 4.16). Nossas fraquezas nos fazem depender uns dos outros de forma que as nossas forças não dependem (1Co 12.21-26). O que significa que elas são dadas à igreja pela mesma razão que são dadas a nós individualmente: para que a igreja cresça forte na fé (1Co 2.3-5) e no amor (1Co 13) — duas qualidades que se manifestam de forma única. A realidade e o poder de Jesus para o mundo (Jo 13.35).

Não enterre suas fraquezas

Algum dia, quando nosso Mestre voltar, ele nos pedirá para prestar contas dos talentos que nos confiou. Alguns desses talentos são nossas fraquezas. Não queremos dizer a ele que enterramos nenhum deles. E pode até ser que o talento mais valioso em nosso portfólio de investimentos seja uma fraqueza.

Visto que “o que se requer dos [mordomos] é que cada um deles seja encontrado fiel” (1Co 4.2), seria sábio examinarmos quão fielmente estamos administrando os talentos de nossas fraquezas. Então, quão bem você está investindo as fraquezas que recebeu?

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *